PSD/Açores critica Governo Regional por levar uma década a criar centro do leite

PSD/Açores critica Governo Regional por levar uma década a criar centro do leite

 

Lusa/AO online   Regional   1 de Abr de 2016, 18:16

O grupo parlamentar do PSD/Açores lamentou que o presidente do Governo Regional, Vasco Cordeiro, que foi secretário regional da Agricultura, tenha levado "mais de uma década" a criar o Centro Açoriano do Leite e Laticínios dos Açores (CALL).

 

Em comunicado, os deputados regionais consideram que este organismo é “indispensável para o setor pecuário e muito pode ajudar os lavradores da região neste momento tão difícil”.

Os sociais-democratas assinalam que, sempre que o partido apresentou no parlamento regional propostas para a criação de um centro do leite, o Governo Regional do PS “criticou e os deputados socialistas votaram contra”.

O presidente do executivo açoriano reuniu-se na quinta-feira em Ponta Delgada, na ilha de São Miguel, com representantes da produção e da indústria do leite por forma a encontrar soluções para fazer face aos impactos negativos da crise do mercado do leite na região.

Todas as partes envolvidas se congratularam com a materialização do CALL, que tem por missão acompanhar e intervir no setor do leite e laticínios da região e no qual têm assento o executivo regional, a produção e a indústria.

“Ainda há duas semanas, na Assembleia Legislativa […], o presidente do Governo Regional dos Açores afirmou que era um erro considerar que a solução passaria pela criação de um centro ou observatório do leite”, lê-se no comunicado hoje emitido.

O grupo parlamentar do PSD lamenta, por outro lado, que tenha sido necessário também “quase uma década para perceber da importância de ter uma representação dos Açores em Bruxelas que defenda as posições da região”.

À Lusa, o vice-presidente do PS/Açores, André Bradford, referiu, por seu turno, que o CALL resulta de um "esforço conjunto" de várias entidades ligadas ao setor do leite "em prol da lavoura e da economia dos Açores e não de qualquer questiúncula política".

"O CALL não é um departamento do governo ou um instituto público que o executivo cria ou extingue consoante lhe dá jeito, quer ou pode. É antes uma associação de direito privado que resulta da vontade dos associados, da produção, indústria e também dos poderes públicos", declarou.

O dirigente socialista afirmou que agora era de esperar do PSD/Açores que "se associasse a esse esforço dos vários parceiros e que fizesse parte da procura de soluções".

Sobre a representação dos Açores em Bruxelas, André Bradford disse que a região nunca deixou de estar representada nem de ter “lobby”, possuindo representantes por várias vias na Representação Permanente de Portugal e através de eurodeputados diretamente ligados ao arquipélago.

"Agora encontrou-se uma solução que dá outro tipo de representatividade, uma vez que associa os interesses das regiões ultraperiféricas portuguesas e que cria outro tipo de condições para se trabalhar em prol dos direitos dos açorianos na União Europeia", acrescentou o vice-presidente do PS/Açores.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.