PS e PSD nos Açores divergem na leitura da visita de António Costa à Região

PS e PSD nos Açores divergem na leitura da visita de António Costa à Região

 

Lusa/AO online   Regional   3 de Mai de 2016, 18:57

PS e PSD nos Açores divergiram na leitura da visita do primeiro-ministro à região, com os socialistas a falarem em "viragem" de relacionamento e os social-democratas a afirmarem que António Costa foi "tentar ajudar" um governo em dificuldades.

 

"O que António Costa veio fazer aos Açores foi dizer que este Governo da República entende as especificidades das várias parcelas do território nacional e está disponível, naquilo que puder e considerar justo e legítimo, a fazer a sua parte", declarou o vice-presidente do PS/Açores, em Ponta Delgada, na ilha de São Miguel, num balanço da visita do executivo nacional ao arquipélago.

André Bradford considerou que a deslocação de António Costa, que decorreu na semana passada e compreendeu quatro ilhas, permitiu resolver um conjunto "muito significativo" de matérias que envolvem os Açores e a República.

O dirigente socialista apontou o compromisso do Governo da República de defender em Bruxelas um envelope financeiro adicional no âmbito do programa específico para as regiões ultraperiféricas (POSEI) para fazer face à crise da lavoura, bem como a criação do Centro de Investigação Oceanográfica na ilha do Faial, entre outras medidas.

"Desta vez temos um Governo da República que se preocupa mais com os portugueses do que com o que pensa a Comunidade Europeia e a União Europeia. E isso deve ser valorizado e não criticado", declarou André Bradford.

Já o líder do PSD/Açores declarou, também numa conferência de imprensa realizada em Ponta Delgada, que "é num contexto muito difícil" para o Governo Regional socialista que se deve analisar a visita do primeiro-ministro aos Açores.

"Entendemos esta visita num contexto de enormes dificuldades políticas do governo e do PS face à situação dramática que se vive na educação, na saúde, na agricultura, nas pescas, entre diversos outros setores", frisou Duarte Freitas.

O social-democrata referiu que "não é a primeira vez" que se está perante um conjunto de promessas que não foram entretanto concretizadas e apontou como exemplo a construção do novo estabelecimento prisional de Ponta Delgada.

Duarte Feitas recordou uma notícia de 08 de setembro de 2007 em que se anunciava que este equipamento iria avançar.

O responsável afirmou, contudo, que vai aguardar com "serenidade e paciência" a concretização de algumas propostas apresentadas.

Além disso, lembrou que, na sequência da tomada de posse de José Sócrates como primeiro-ministro, o então presidente do executivo açoriano, Carlos César, declarou que os problemas de relacionamento entre os serviços nacional e regional de Saúde "estavam ultrapassados".


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.