Proteína associada à dislexia pode atuar na regeneração do tecido nervoso

Proteína associada à dislexia pode atuar na regeneração do tecido nervoso

 

Lusa/Açoriano Oriental   Internacional   21 de Fev de 2017, 09:47

Investigadores do Instituto de Investigação e Inovação em Saúde da Universidade do Porto (i3S) descobriram que uma proteína associada à dislexia pode atuar no desenvolvimento dos neurónios e na regeneração do tecido nervoso.

Este trabalho, publicado na revista científica 'Cerebral Cortex', mostra que a proteína KIAA0319 "é muito importante na regulação do crescimento dos axónios (prolongamento que liga um neurónio a outro)" e que, conseguindo-se "diminuir os seus níveis", é possível "aumentar a capacidade regenerativa do tecido nervoso", disse à agência Lusa a investigadora líder do projeto, Mónica Sousa.

Para obter estes resultados, a equipa recorreu a trabalhos 'in vitro' e 'in vivo' (ratos), nos quais comprovou que a KIAA0319, quando recebe um sinal, desencadeia uma cascata de acontecimentos que têm efeitos claros no desenvolvimento dos neurónios, incluindo o crescimento e a orientação, lê-se num comunicado sobre a investigação.

Ou seja, "a presença desta proteína e a sua quantidade nos neurónios determina o efeito que um sinal pode ter quando chega à célula", acrescenta o documento.

Mónica Sousa indica que a dislexia está associada a baixos níveis de KIAA0319, devido a um tipo de erro que ocorre durante o desenvolvimento embrionário, e que se manifesta quando as crianças começam a aprender a ler, por exemplo.

Em doenças deste género, os profissionais sequenciam o genoma de indivíduos normais e comparam-no com o genoma de indivíduos disléxicos, para se descobrir uma porção deste material genético que esteja alterada.

Para além do gene KIAA0319, existem outros que explicam o fenómeno da dislexia, como é o caso do ROBO1 e do DCDC2.

Quanto ao ROBO1, "já se demonstrou que tem uma forma de ação muito similar à descrita agora para o KIAA0319", estando ambos "sub-expressos nos casos de dislexia e, quando sobre-expressos, reduzem o crescimento dos axónios", lê-se na nota informativa.

Estes resultados "permitem descrever o conjunto de acontecimentos dentro dos neurónios, que são dependentes da proteína expressa pelo gene KIAA0319 e dos sinais que ela recebe do meio circundante, permitindo desenhar um mapa de moléculas que interagem entre si para que os neurónios se desenvolvam ou não", afirmou Mónica Sousa.

O trabalho da equipa coordenada pela investigadora passa por "perceber o papel que desempenham determinadas proteínas no desenvolvimento dos neurónios, jovens ou adultos, com o objetivo de abrir novos caminhos para a regeneração do tecido nervoso".

Uma vez identificados os genes que regulam o crescimento axonal, procura-se verificar como é que estes e as proteínas que eles codificam agem, com o propósito de completar o "puzzle" de acontecimentos bioquímicos que são afectados por cada um desses genes.

No futuro, pretendem encontrar "uma solução eficaz e segura", "capaz de inibir a proteína", podendo ser utilizada como uma opção terapêutica em situações nas quais é necessário aumentar o crescimento axonal, como as lesões severas.

Neste projeto, que conta com a colaboração de profissionais da Universidade de Oxford, no Reino Unido, e é financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), estão envolvidos cerca de dez investigadores.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.