Professores vão responder a grande inquérito sobre a classe

Professores vão responder a grande inquérito sobre a classe

 

Lusa/AO online   Nacional   31 de Jan de 2018, 17:50

Mais de 40 mil professores, de um universo de 140 mil, deverão responder a um inquérito sobre a classe, que vai ser distribuído a partir de agora e cujos resultados são esperados em junho próximo.

O inquérito, da responsabilidade de uma equipa de cinco investigadores, da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa (FCSH/UNL), do Instituto Superior Técnico, e de duas universidades brasileiras, foi esta terça-feira apresentado publicamente.

Raquel Varela, da FCSH/UNL, que coordena a equipa, disse à Lusa que o estudo deverá ser o mais abrangente alguma vez feito em Portugal neste setor e é constituído por 100 perguntas.

O estudo, realizado em parceria com a Federação Nacional dos Professores (Fenprof), versa questões como as relações dos professores com os alunos, com os colegas ou com as chefias, passando pelas ligações entre a vida privada e profissional, disse a responsável.

“Pretende-se perceber o estado de desgaste dos profissionais”, disse Raquel Varela, acrescentando que a classe dos professores está envelhecida e com uma taxa de adoecimento elevada, traduzida em 12 mil professores de baixa.

“Acreditamos que vamos chegar a uma taxa grande de exaustão da força de trabalho”, disse a investigadora.

Os inquéritos vão ser distribuídos e recolhidos nas escolas e a equipa de investigadores vão depois fazer a análise dos dados, contando apresentar resultados em junho.

Segundo Raquel Varela o inquérito inspirou-se em outros já feitos a nível internacional e os resultados permitirão ter também uma leitura internacional, comparando a situação em Portugal com a de outros países.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.