Produtores afetados pelos incêndios podem pedir ajuda alimentar para animais

Nacional /
incêndio

459 visualizações   

O presidente da Cooperativa Agro-Pecuária do Sudoeste Beirão (Casan), que abrange Pedrogão e Figueiró dos Vinhos, alertou que há ajuda alimentar para os animais que sobreviveram aos fogos, estimando que cerca de 1500 pequenos ruminantes morreram nos incêndios.
 

Miguel Freire, presidente da Casan, organização, com sede em Ansião, de produtores pecuários que abrange estes concelhos afetados pelos incêndios, apontou para uma primeira estimativa de mil a 1.500 animais mortos no incêndio, essencialmente pequenos ruminantes, ovinos e caprinos, que "são a base do rendimento dos agricultores da região".

De acordo com Miguel Freire, existem ainda "cerca de 3.000 animais entre os que sobreviveram, se encontram feridos ou estão desaparecidos", e, para fazer face à alimentação destes, "já há alguns alimentos disponíveis, embora o grosso das ofertas de empresas e de fábricas ainda esteja a caminho".

"Estão a chegar alimentos, rações, fenos e palha enfardada, e esta ajuda vai ficar concentrada em Vila Facaia e na Graça [freguesias do concelho de Pedrógão Grande] e na Cooperativa Agrícola de Figueiró dos Vinhos (FICAPE)", destacou.

Os produtores que precisam de alimentação para os seus animais deverão entrar em contacto com a CASAN, a Junta de Freguesia de Vila Facaia, a FICAPE ou qualquer um dos médicos veterinários destes concelhos, acrescentou.

Este responsável salientou ainda que a Ordem dos Médicos Veterinários doou medicamentos para os médicos das cooperativas e outros voluntários que estão no terreno poderem tratar os animais feridos.

Os animais mortos deverão ser removidos através do sistema nacional de remoção de cadáveres animais.