Primeiro autocarro com migrantes deixa 'selva' em Calais

Primeiro autocarro com migrantes deixa 'selva' em Calais

 

Lusa/AO Online   Internacional   24 de Out de 2016, 08:41

O primeiro autocarro com migrantes deixou hoje o campo francês de Calais, conhecido como a 'selva', que vai ser desmantelado, noticia a agência AFP.

 

O autocarro que transportava 50 sudaneses com destino à região da Borgonha partiu menos de uma hora após o início das operações de limpeza do campo, onde se estimam viverem entre seis mil e oito mil pessoas.

Espera-se que as operações de evacuação do campo durem três dias, após os quais o bairro de lata – um dos maiores da Europa – será destruído.

“Estou muito contente, estou farto da ‘selva’”, disse à agência Abbas, de 25 anos, do Sudão, embrulhado num casaco para se proteger do frio.

“Há muita gente que não se quer ir embora. Pode haver problemas mais tarde. É por isso que vim primeiro”, explicou.

O campo, situado num terreno baldio perto do porto de Calais, onde os migrantes estabeleceram acampamentos durante mais de uma década, tornou-se um símbolo da incapacidade de França de resolver a pior crise migratória da sua história pós-guerra.

Agências humanitárias alertaram que alguns migrantes podem resistir a um realojamento e mais de 1.200 agentes foram destacados para prevenir distúrbios.

A polícia lançou gás lacrimogéneo para dispersar migrantes no domingo à noite.

Motins emergiram quando as autoridades francesas destruíram metade do campo em março.

Bashir, de 25 anos, também do Sudão, pôs-se na fila às 04:00 (03:00 em Lisboa), quatro horas antes de o armazém que serve de estação de autocarros abrir.

“Qualquer sítio em França será melhor que a ‘selva’”, disse.

O encerramento do campo pretende atenuar as tensões na zona de Calais, onde confrontos entre a polícia e os migrantes, que tentam subir clandestinamente para camiões que se dirigem ao Reino Unido, são quase diários.

As autoridades francesas disseram na sexta-feira que o campo de Calais, no norte de França e perto do canal da Mancha, começaria a ser evacuado a partir de hoje.

Prometido desde há várias semanas pelo governo socialista, esta operação acentuou a polémica sobre o acolhimento dos migrantes em França, a alguns meses das eleições presidenciais.

O assunto suscitou também tensões entre Paris e Londres.

“Teremos sucesso neste desafio humanitário”, prometeram os ministros do Interior, Bernard Cazeneuve, e da Habitação, Emmanuelle Cosse, em artigo publicado na sexta-feira no diário Le Monde, enquanto as ONG no terreno alertaram contra os riscos de “catástrofe” de uma operação precipitada.

O destino de 1.290 menores que se encontram isolados no campo constitui um dos aspetos mais complexos desta operação, com muitos a referirem pretender alcançar o Reino Unido, onde dizem ter familiares.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.