Primeiras comemorações públicas do genocídio arménio em Istambul


 

Lusa / AO online   Internacional   24 de Abr de 2010, 13:08

As primeiras manifestações públicas dos massacres dos arménios sob o Império Otomano tiveram hoje lugar em Istambul, Turquia, país que rejeita a tese de genocídio defendida pelos arménios.

Uma manifestação foi organizada pela Organização dos Direitos do Homem (IHD) para assinalar a morte de 220 arménios a 24 de abril de 1915, e que foi o ponto de partida para os massacres.

Reunidos em frente ao slogan "nunca mais aquilo", colocado junto dos degraus da estação de Haydarpasa, de onde partiu o primeiro comboio de deportação, cerca de uma centena de manifestantes prestou homenagem aos arménios desaparecidos.

Uma outra manifestação está prevista para o meio da tarde de hoje em Taksim, o centro nevrálgico da metrópole, tendo os organizadores lançado uma petição intitulada "Este sofrimento que vivemos todos, é o nosso sofrimento".

Os Arménios qualificam de genocídio os massacres e deportações que, entre 1915 e 1917, provocaram mais de 1,5 milhões de mortos.

A Turquia reconhece que entre 300 mil e 500 mil pessoas pereceram durante o caos dos últimos anos do Império Otomano.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.