Presidente sul-coreana indulta 14 empresários para "revitalizar a economia"


 

Lusa/AO online   Internacional   13 de Ago de 2015, 11:35

A chefe de Estado da Coreia do Sul concedeu indultos especiais a 14 empresários e diretores condenados por corrupção e outros delitos, entre os quais o presidente do grupo SK, para ajudar a "revitalizar a economia" do país.

 

A medida faz parte de uma campanha de amnistia generalizada que assinala o 70.º aniversário da libertação da Coreia, que se comemora a 15 de agosto, na qual já foram indultadas 6.527 pessoas, a maioria condenadas por delitos cometidos por pobreza ou necessidade.

A presidente Park Geun-hye decidiu incluir na lista de indultados 14 altas personalidades do mundo dos negócios, entre as quais se destaca Chey-Tae-wo, presidente do poderoso Grupo SK, segundo anunciou a Casa Azul (residência presidencial sul-coreana).

O magnata foi condenado no ano passado a quatro anos de prisão por peculato, ao demonstrar-se que em 2008 desviou para financiar investimentos pessoais de 35,61 milhões de won, cerca de 35,61 milhões de euros, de dois filiais da empresa.

"Decidi conceder os indultos especiais para ajudar a reconciliação nacional e revitalizar a economia, e também levantar o ânimo dos cidadãos", explicou Park, em declarações divulgadas pela agência local Yonhap.

A empresa sul-coreana celebrou o anúncio da chefe de Estado, que considerou uma "valente decisão" que servirá para "progredir a recuperação da economia, unir o país e impulsionar o desenvolvimento económico", de acordo com o comunicado emitido pela Federação das Industrias Coreanas.

Na Coreia do Sul os presidentes só podem conceder indultos coletivos a pessoas condenadas por delitos de subsistência com motivo das efemérides importantes para o país, como é o caso do aniversário da independência da Coreia do domínio colonial do Japão.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.