Dia da Poupança

Portugueses têm razão para poupar mais porque vão ter mais riscos no futuro

Portugueses têm razão para poupar mais porque vão ter mais riscos no futuro

 

Lusa/AO online   Economia   29 de Out de 2010, 18:12

O economista José da Silva Lopes considerou esta sexta-feira que os portugueses têm cada vez mais razões para poupar, admitindo que poderiam ser aplicados temporariamente esquemas de poupança obrigatória.
“Os portugueses começam a ter razões para poupar mais porque não podem contar tanto com o Estado social como têm contado até agora”, afirmou o ex-ministro das Finanças, à margem de uma conferência a propósito do Dia Mundial da Poupança, que se assinala no domingo.

Silva Lopes salientou que “seria prudente que as famílias comecem a pensar que um dia tem de arranjar complementos de reforma ou ter esquema de saúde complementares porque o país começa a ter falta de recursos para assegurar o estado social” e as famílias vão ter mais riscos no futuro do que esperavam no passado.

O economista admitiu que poderiam ser adoptados, pelo menos temporariamente, alguns esquemas de poupança obrigatório, mas sublinhou que essa poupança teria de ser aplicada de forma positiva.

“Impor às pessoas que paguem mais impostos ou sejam obrigadas a comprar títulos de dívida pública para depois se gastar dinheiro no consumo corrente, é melhor não. Só admito que se faça pressão sobre a poupança privada se servir para que se faça investimento eficiente e necessário ao crescimento do país”, declarou.

Entre as causas que apontou para justificar a “queda brutal” da poupança das famílias, do Estado e das empresas, destacou o fraco crescimento económico.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.