Portugal será o país estrangeiro com mais empresas em feira industrial em Paris

Portugal será o país estrangeiro com mais empresas em feira industrial em Paris

 

Lusa/AO Online   Economia   4 de Dez de 2016, 10:42

Portugal vai ser o país estrangeiro com mais empresas a expor na feira de subcontratação industrial Midest, que vai decorrer de terça a sexta-feira, no Parque de Exposições de Villepinte, nos arredores de Paris.

De acordo com a delegação em Paris da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEO), 89 expositores portugueses vão estar presentes na feira, incluindo três associações do setor: a Associação Nacional das Empresas Metalúrgicas e Eletromecânicas, a Associação Industrial do Distrito de Aveiro e a Associação dos Industriais Metalúrgicos Metalomecânicos e Afins de Portugal.

"Após um crescimento significativo da participação portuguesa na feira MIDEST desde 2008 (17 participantes) até 2014 (70 empresas) e 2015 (64 entidades), 2016 é o ano em que a participação portuguesa é a mais importante de sempre e em que Portugal, simultaneamente, tem a maior representação, depois da francesa, com um número de expositores lusos na feira a ascender a 89 entidades", indica o comunicado da AICEP enviado à Lusa.

As empresas portuguesas que vão participar na feira MIDEST cobrem todo o leque da subcontratação industrial, desde a mecânica, o corte a laser, o trabalho da chapa, a serralharia, as ferramentas, os moldes e modelos, a fundição, a forja, os tratamentos térmicos e de superfície, a transformação de plásticos e de borracha, os estudos e os projetos.

A Associação dos Industriais Metalúrgicos Metalomecânicos e Afins de Portugal (AIMMAP) vai promover 53 empresas do setor e há "grandes expectativas" porque "Portugal tem vindo a dar cartas nesta área", indicou à Lusa Rafael Campos Pereira, vice-presidente executivo da AIMMAP.

"Os resultados atingidos habitualmente pelas empresas expositoras são excelentes, porque estabelecem contactos interessantes a partir dos quais tem sido possível desenvolver negócios e promover as vendas nos mercados em causa, nomeadamente no mercado francês", afirmou o responsável, sublinhando que França é um dos principais mercados para as exportações portuguesas.

Rafael Campos Pereira indicou que o setor português da metalurgia e da metalomecânica é "o mais exportador em Portugal", tendo as exportações, em 2015, representado 14,6 mil milhões de euros "que é mais ou menos 27 ou 28% das exportações globais da indústria transformadora em Portugal".

O vice-presidente executivo da associação acrescentou que a área específica da subcontratação industrial "representa um volume de negócios anual de cerca de seis mil milhões de euros, dos quais três mil milhões dizem respeito a exportações diretas e a parte restante são exportações indiretas, ou seja, venda de componentes para empresas que exportam produtos finais".

Rafael Campos Pereira destacou, ainda, que o setor está a fazer um investimento para "acompanhar a quarta revolução industrial, da indústria 4.0", afirmando que as empresas são cada vez mais "modernas, digitalizadas e automatizadas sem prejuízo da manutenção de postos de trabalho".

"Só não crescemos mais porque existe dificuldade em contratar mão-de-obra qualificada. Temos alguns jovens muito qualificados que têm vindo a ser desafiados por empresas de outros países que lhes conseguem pagar mais com cargas fiscais mais leves. A carga fiscal alta que temos em Portugal é uma dificuldade porque não podemos competir com países que pagam mais", explicou.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.