Portugal cumpriu "escrupulosamente" programa da 'troika'

Portugal cumpriu "escrupulosamente" programa da 'troika'

 

Lusa/AO online   Economia   11 de Abr de 2016, 14:47

O primeiro-ministro, António Costa, afirmou que Portugal cumpriu "escrupulosamente" o seu programa de assistência financeira, mas com consequências negativas sociais e económicas, e defendeu que o problema dos refugiados na Grécia é também português.

 

Posições assumidas por António Costa numa conferência de imprensa conjunta com o primeiro-ministro da Grécia, Alexis Tsipras, após ter sido interrogado por uma jornalista grega sobre as causas de Portugal ter concluído o seu programa da ‘troika' (Banco Central Europeu, Comissão Europeia e Fundo Monetário Internacional), enquanto a Grécia permanece desde 2010 sob assistência financeira.

"Portugal, de facto, cumpriu o seu programa de ajustamento e tem sido apontado pelas instituições europeias como o exemplo do país que cumpriu mais escrupulosamente todo o programa. Ficamos muito contentes com esse reconhecimento por parte da União Europeia", começou por afirmar António Costa.

No entanto, para o primeiro-ministro, não se pode "ignorar que esse ajustamento não evitou que a dívida tivesse subido de 97 por cento do PIB (Produto Interno Bruto) para 130 por cento, que o país tenha uma taxa de desemprego extremamente elevada e que tenha aumentado significativamente o nível de pobreza em Portugal".

Aliás, o primeiro-ministro português aproveitou a conferência de imprensa para condenar as "lógicas de pensamento único neoliberais".

Depois, numa indireta a quem recusa executivos radicais como o do Syriza na Grécia, acentuou que a União Europeia, apesar de ter regras comuns, "tem de respeitar a existência de alternativas políticas" em cada Estado-membro.

Deu então o exemplo de Portugal, onde houve mudança de Governo no final do ano passado, "mas sem que houvesse desrespeito das regras da União Europeia".

Alexis Tsipras pegou neste ponto para criticar a insistência das instituições europeias no mesmo modelo de austeridade, "apesar de muitos dos responsáveis destas instituições reconhecerem os erros e as suas consequências nefastas".

Sobre a questão dos refugiados, o primeiro-ministro defendeu que a pressão migratória em alguns países como a Grécia não pode ser encarada como um problema deste Estado-membro.

"Um problema da Grécia é um problema da União Europeia e, nesse sentido, é também um problema de Portugal", declarou António Costa.

"Entendemos que o valor fundamental no qual se funda a Europa é o da solidariedade", advogou António Costa, que, ao longo da conferência de imprensa, não especificou quantos refugiados Portugal poderá receber, embora em ocasiões anteriores já se tenha referido o número de dez mil.

A posição de abertura de António Costa em relação ao acolhimento de refugiados mereceu logo a seguir elogios do primeiro-ministro grego, apontando que há países com população idêntica a Portugal e com níveis de riqueza superior que "não estão disponíveis para acolher tantos refugiados" como o Estado Português.

 

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.