Portugal continua a receber refugiados, longe de atingir quota de quase cinco mil

Portugal continua a receber refugiados, longe de atingir quota de quase cinco mil

 

Lusa/AO Online   Nacional   25 de Jul de 2017, 17:39

Portugal recebeu 1.402 refugiados e todos os meses continuam a chegar, porém o número ainda está longe de atingir a quota de quase cinco mil acolhimentos, afirmou hoje a secretária de Estado para a Cidadania e Igualdade.


Catarina Marcelino falava em Alfândega na Fé, no distrito de Bragança, à margem da assinatura do protocolo para a formalização do Centro Local de Apoio à Integração de Migrantes (CLAIM) que aumenta para 60 o número de espaços deste género existente em Portugal.

Alfândega da Fé não faz parte dos 90 municípios portugueses que já acolheram as mais de 1.400 pessoas desde a crise dos refugiados, um terço das quais abandonaram, entretanto, o país. A secretária de Estado afirmou que todos os meses chegam refugiados a Portugal, mas passou a ser “uma situação com alguma normalidade” e longe de atingir a disponibilidade de acolhimento.

“A quota que Portugal se comprometeu com a União Europeia foi cerca de cinco mil, essa quota não a atingimos, estamos longe disso porque também para recebermos eles têm que vir, (…) os serviços na Grécia e na Itália têm que ser céleres nos procedimentos e isso não tem acontecido”, explicou.

Segundo a governante, os refugiados estão a ser acolhidos em Portugal “com aquilo que são os compromissos assumidos de terem uma resposta habitacional e também há fundos comunitários que os apoiam durante 18 meses para a sua sobrevivência durante esse período de tempo”.

Um terço dos refugiados que chegaram até agora acabou por abandonar o país, uma questão que não é exclusivamente portuguesa, como apontou.

A secretária de Estado explicou que estas pessoas fogem da guerra à procura de uma vida melhor que “não é só ter uma casa e ter um espaço, muitas vezes é procurar integrarem-se em sítios aonde também há pessoas das suas comunidades”.

“E nós não temos aqui grandes comunidades de pessoas daqueles países, da Síria, do Iraque. O que acontece é que muitas vezes, sobretudo as pessoas isoladas, quando saíram do seu país, aquilo que é o seu projeto de vida passa por se juntarem àqueles que são da sua comunidade”, continuou.

A governante salientou que esta é uma realidade que acontece em Portugal, mas também “até em países como o Luxemburgo, que são países ricos”.

“Não é sequer uma questão financeira ou do dinheiro que recebem ou não recebem, acontece o mesmo porque a tendência de procurar os seus e as suas comunidades é muito forte e isso faz parte de todo o processo migratório”, afirmou.

 


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.