Portugal/Cabo Verde: Uma dezena de acordos ainda com montante por saber

Portugal/Cabo Verde: Uma dezena de acordos ainda com montante por saber

 

Lusa / AO online   Nacional   2 de Dez de 2012, 11:09

A recentragem da cooperação portuguesa na vertente económico-empresarial e a assinatura de cerca de uma dezena de protocolos dominam hoje os trabalhos da II Cimeira Portugal/Cabo Verde, no Mindelo.

 

Sem discursos de abertura, com a entrada direta para uma reunião das delegações dos dois países, chefiadas pelos primeiros-ministros português, Pedro Passos Coelho, e cabo-verdiano, José Maria Neves, a cimeira vai ultimar as questões essenciais da cooperação bilateral.

Sem especificar, fonte oficial indicou aos jornalistas que serão assinados acordos ligados às áreas económica, empresarial, saúde, defesa, administração interna, ciência e tecnologia, ensino superior, segurança social e energia, que inclui as renováveis, não tendo também indicado um montante para os concretizar.

Em destaque está, na área da educação, a criação da Escola Portuguesa, ambição de há muito da comunidade portuguesa residente em Cabo Verde, cujos contornos estão ainda por conhecer.

Na Defesa, entre outras questões, a fonte salientou que deverá ser formalizada a ideia de incluir soldados cabo-verdianos em missões de paz internacionais em que Portugal esteja envolvido, embora Cabo Verde tenha de adequar a legislação nesse sentido.

No mesmo setor, será rubricado um acordo destinado a promover formação e ações ligadas a operações de busca e salvamento, dado o caráter arquipelágico do país.

Na vertente económica e empresarial, a grande preocupação dos dois países passa pela internacionalização das respetivas empresas, pelo que será assinado um acordo entre a Agência para ao Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP) e a congénere local, a Cabo Verde Investimentos (CVInvest).

Três outros protocolos, ainda por especificar, estão ligados às áreas da ciência e tecnologia, cooperação científica e ensino superior e saúde, devendo ainda ser assinado um acordo de revisão da convenção sobre a segurança social bilateral.

Todos os documentos e acordos foram maioritariamente finalizados no sábado à tarde e outros estão a ser alvo de acertos finais, pelo que só depois do final das duas horas da cimeira, previsto para as 12:30 locais (13:30 em Lisboa), se saberão mais pormenores.

Na cimeira, as duas delegações vão analisar a situação política e económica de Cabo Verde e de Portugal, a crise económica e financeira internacionais e respetivas repercussões nos dois países e a Parceria Especial União Europeia/Cabo Verde.

No quadro internacional, as duas partes vão proceder a uma reflexão estratégica sobre a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) e a crise político-militar na Guiné-Bissau, bem como o envolvimento da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEA) no conflito e como mercado de eventuais exportações portuguesas e cabo-verdianas.

Em discussão entre as duas partes estarão as situações também de conflito no Médio Oriente, sobretudo as crises na Síria, Palestina, Israel e Turquia.

No final, e após a assinatura dos acordos, Passos Coelho e José Maria Neves darão uma conferência de imprensa conjunta, após o que terminará a cimeira.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.