Portas defende que não há legitimidade política para a esquerda formar executivo

Portas defende que não há legitimidade política para a esquerda formar executivo

 

AOnline/LUSA   Nacional   31 de Out de 2015, 10:21

O vice-primeiro-ministro, Paulo Portas, disse ontem que qualquer tentativa da esquerda para chegar ao poder "na secretaria" estará "ferida de ilegitimidade desde o primeiro dia".

Paulo Portas, que falava no primeiro jantar do CDS-PP após as eleições, para dar posse à concelhia da Feira do partido.

“O que está em causa é saber hoje se o voto dos portugueses prevalece face a tentativas de secretaria, como no tempo do PREC (Período Revolucionário Em Curso) havia quem dissesse que a legitimidade revolucionária se sobrepunha ao voto", vincou.

O líder centristas disse que “não é uma questão de legalidade, mas de legitimidade" e que "se querem tentar na secretaria chegar ao poder, [tal Governo] estará ferido de ilegitimidade política desde o primeiro dia”.

Portas justificou ter hoje tomado posse porque a coligação ganhou as eleições e o PS perdeu e essa é a regra em democracia.

“Sem maioria absoluta e, por isso, a coligação entendeu que deve governar e procurar compromissos em diálogo com o maior partido da oposição”, porque foi esse o sinal que o eleitorado deu.

Para Portas, os resultados das eleições legislativas de 04 de outubro passado transmitiram um sinal de continuidade, “porque os portugueses disseram que não querem mais aventuras com o défice e com a dívida”, e de evolução, no sentido de uma política realista e gradualista de recuperação de rendimentos.

Salientando que “mais de 80% dos deputados eleitos acredita no projeto europeu”, o líder do CDS-PP disse que “muitos portugueses estranham o que está a acontecer e temem o impacto negativo e as consequências económicas” que daí possam advir.

Aludiu às “negociações muito pouco públicas” entre o PS, PCP e BE, para lembrar António Costa de que afirmou que só bloquearia um Governo da coligação se conseguisse transformar a maioria negativa no parlamento em maioria positiva de executivo.

Portas questionou, por isso, onde estão os sinais consistentes de estabilidade e duráveis para tal, sublinhando as diferenças acentuadas entre o PS e o PCP em matérias como o Tratado Orçamental, as metas do défice ou mesmo a presença no euro.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.