Populares relatam que o "mar estava vivo" na Madalena

Populares relatam que o "mar estava vivo" na Madalena

 

Lusa / AO online   Regional   5 de Mar de 2017, 10:20

Uma semana depois de ondas de 13 metros terem deixado um rasto de destruição na Madalena, Açores, populares recordam como o mar "mansinho" se revelou vivo, projetando pedras e levantando calçada.

 

"O mar andou vivo aqui dentro", contou à agência Lusa Maria Luísa Duarte, de 71 anos, apontando para uma pedra de alguns quilos que o mar atirou para a esplanada de casa, paredes meias com o oceano, uma pequena edificação nas traseiras da habitação.

Antes, Maria Luísa, que pretendia cumprir o ritual diário de tomar banho no mar, foi à Barca, a sua piscina de todo o ano, constatando que "estava mansinho", mas não tardou muito para ver que uma onda quase atingia a viatura conduzida pelo marido quando ele seguia avenida fora.

"Depois foram pedras, água, lama, pedras que voaram do mar", disse, garantindo que, "com bom tempo", como estava o dia, "nunca tinha visto ondas tão grandes".

Na última segunda-feira, ondas de 13 metros atingiram a Madalena, provocando danos em várias estruturas, incluindo o molhe de proteção do porto.

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera esclareceu que a situação "não estava prevista" e foi "invulgar", explicando que, "normalmente, os modelos que servem para definir os avisos [meteorológicos] sobre-estimam a altura das ondas; neste caso, subestimaram".

"O mar esteve vivo aqui. Andou de volta de mim", declarou Elisabete Silva, funcionária da Associação de Armadores de Pesca Artesanal do Pico.

À Lusa, a funcionária, de 48 anos, relatou que não conseguiu sair do escritório da associação, porque as portas só abrem para fora e a força da água impedia a sua abertura.

"A preocupação foi salvar o equipamento informático e documentação da associação", declarou, para acrescentar que a loja, ao lado do escritório, não foi poupada pelo "mar revolto".

As ondas também não pouparam as casas de apresto, 24 no total.

Na de Paulo Goulart, pescador de 40 anos, contam-se dois mil euros de prejuízo, levantamento que entregou na associação na sexta-feira, mas sem esperança de ser ressarcido.

"O Governo [Regional] não se chega à frente. Se fosse em São Miguel era diferente", antevê o pescador, lamentando que não existam seguros para fazer face a situações como esta.

O presidente da associação, José António Fernandes, 58 anos, acredita que o executivo açoriano não vai abandonar os pescadores e armadores.

"Temos ali o escritório há nove anos e houve galgamentos no passado, mas nada assim. O que foi mais surpreendente foi a força e a rapidez. Era incrível, eram ondas seguidas e com muita energia", declarou José António Fernandes.

Da sabedoria dos seus 84 anos, 30 dos quais na pesca do atum, Augusto Medeiros avisa que fenómenos como o de segunda-feira de Carnaval "acontecem de anos a anos".

E, nos anos em que isto acontece, como agora, "o mar levanta-se", explicou Augusto Medeiros, concretizando que a estrada se transforma numa poça e os cerrados se enchem de água.

"Estava muito mau", assumiu, para acrescentar que "já viu pior".

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.