População exige a demissão de Putin

População exige a demissão de Putin

 

Lusa/AO Online   Internacional   10 de Dez de 2011, 10:52

Dezenas de milhares de pessoas, dos mais diversos quadrantes políticos, juntaram-se a algumas centenas de metros do Kremlin, para exigir a repetição das eleições parlamentares e a demissão do primeiro-ministro, Vladimir Purin.

A Praça Bolotnaia foi pequena para albergar as mais de 50 mil pessoas, tendo os manifestantes ocupado as pontes nas proximidades, assim como a rua da outra margem do rio Moscovo.

Milhares de agentes da polícia cortaram os acessos à Praça da Revolução, Praça Vermelha e Kremlin, a fim de não permitir manifestações no centro da capital russa, e formaram longos corredores para que os manifestantes não cortassem o movimento no centro de Moscovo.

Um número elevado de autocarros e camiões com "astronautas", como a oposição chama à polícia de choque devido aos capacetes e viseiras, estavam estacionados nas redondezas da Praça Bolotnaia.

Não obstante este aparelho policial, as pessoas dirigiam-se ordeiramente para a praça, que ficou completamente cheia. Há muitos anos que Moscovo não via uma manifestação da oposição com tão grandes dimensões.

Um helicóptero da polícia sublinhava a praça enquanto os dirigentes da oposição discursavam. A imprensa russa admite que cerca de 50 mil elementos das forças policiais tenham sido mobilizados para responder às manifestações de protesto convocadas para hoje.

Bandeiras de todas as cores, vermelhas dos comunistas, cor de laranja do movimento liberal Solidariedade, tricolores da Rússia mostravam que são muitos os que em Moscovo não acreditam que o Partido Rússia Unida, de Vladimir Putin e Dmitri Medvedev, tenha vencido as eleições.

Mas a cor principal era o das fitas e balões brancos que os manifestantes transportavam, a cor que, segundo os organizadores, "é a da limpeza do acto eleitoral".

O comício abriu com o grupo de rap Rabfak a interpretar uma canção muito popular na Internet, "A nossa casa de loucos vota em Putin, a nossa casa de loucos ficaria contente se ele viesse para cá".

Grande parte dos manifestantes era constituída por jovens que conheciam essa canção da Internet e cantavam em corro o refrão.

As justificações para a presença numa manifestação em Moscovo, num dia cinzento, frio e com neve, não eram muito diversas.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.