Políticos "convidados" a cumprir promessas como os peregrinos de Fátima

Políticos "convidados" a cumprir promessas como os peregrinos de Fátima

 

Sílvia Reis / Lusa   Nacional   12 de Out de 2014, 12:18

o grupo, que veste verde, a cor do tema do Santuário de Fátima para o ano pastoral, distingue-se no recinto e no convite que alguns dos seus elementos dirigem aos políticos, o cumprimento de promessas.

 

“Eu prometi e vim, não ia faltar à promessa. Mas eles [os políticos] faltam”, afirmou à agência Lusa Simão Martins, de 31 anos, que integrou o grupo de 43 pessoas da Trofa que se fez à estrada a pé até Fátima na terça-feira e, após uma caminhada de cerca de 200 quilómetros, chegou ao santuário no sábado.

O jovem, que “já tinha vindo de carro, mas a pé é a primeira vez”, declarou-se satisfeito por concluir a jornada “sem dores nem bolhas nos pés” e poder estar, hoje e na segunda-feira, na peregrinação internacional de 12 e 13 de outubro, 97 anos após os acontecimentos na Cova da Iria.

De ‘t-shirt’ com a imagem da Virgem de Fátima na frente e a frase “Envolvidos no amor de Deus pelo mundo” nas costas, temática do maior templo mariano do país para 2013-2014, Simão Martins, empregado fabril, insiste na necessidade de os “políticos cumprirem as promessas” como ele agora cumpriu.

Imediatamente, o jovem recorda o aumento dos impostos e a necessidade de serem reduzidos, ou o estado da saúde e da educação, setores a reclamarem “melhores condições”.

Do mesmo grupo, num discurso mais verde desbotado, Ricardo Faria, funcionário público de 45 anos, desabafou: “Eu acredito em alguns políticos, mas cada vez tenho de acreditar menos”.

Porque menos é, também, o que Ricardo Faria vê no salário que leva para casa.

“Todos os meses temos menos dinheiro no fim do mês”, disse.

O peregrino também não evita as comparações entre quem, como ele, prometeu a presença em Fátima e os que considera estarem longe de concretizar o que anunciam.

“Eles, como políticos, deviam cumprir as promessas eleitorais que fazem”, defendeu quem gostaria ver um futuro pintado de verde esperança.

O seu companheiro de viagem, Luciano Costa, de 49 anos, empregado fabril, enquanto pede apoios para os mais carenciados, não esconde o desejo de que de Fátima saia a luz para “iluminar o espírito dos políticos”.

Num outro grupo, de Salvaterra de Magos, onde sobressai o verde florescente dos coletes refletores, Carla Pintassilgo, de 35 anos, aproveita a deixa para lembrar que os políticos “deveriam penitenciar-se por aquilo que não cumprem e não fazem”.

“Eles é que deviam vir, prometem e não cumprem”, opina a peregrina que, pelo quarto ano consecutivo, cumpre a promessa no santuário, onde se deslocou a pé.

E quando uma colega do grupo relembra “as reformas pequenas” e os cortes nas pensões, Carla Pintassilgo não hesita em dizer que a ‘troika’ é “para esquecer mesmo”, expressando o desejo de que esta não conheça mais o caminho em direção a Portugal.

A peregrinação de outubro ao Santuário de Fátima é presidida pelo arcebispo de Goa e Damão, na Índia, Filipe Néri Ferrão, e começa às 18:30, na Capelinha das Aparições.

As celebrações religiosas terminam na segunda-feira, a partir das 10:00, com a missa, bênção dos doentes e procissão do adeus.

Neste dia assina-se, pela primeira vez, o Dia Nacional do Peregrino.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.