Polícia turco que matou embaixador russo não atuou sozinho

Polícia turco que matou embaixador russo não atuou sozinho

 

Lusa/Açoriano Oriental   Internacional   20 de Dez de 2016, 17:08

O polícia turco que assassinou na segunda-feira o embaixador russo em Ancara não deverá ter atuado isoladamente, referiu um responsável governamental enquanto investigadores dos dois países procuram novas pistas sobre o atentado.

 

Investigadores russos chegaram esta manhã à capital turca e dirigiram-se à galeria de arte onde o embaixador Andrei Karlov, 62 anos, foi morto a tiro na tarde de segunda-feira numa galeria de arte por Mevlut Mert Altintas. O homem de 22 anos, membro do corpo da polícia de intervenção de Ancara, emitiu palavras de ordem sobre a situação na cidade síria de Alepo durante a após ter desferido os disparos. “Não esqueçam Alepo”, “Não esqueçam a Síria”, gritou.

Um responsável governamental, que se pronunciou sob anonimato, descreveu o ataque como “totalmente profissional, e não uma ação de um homem isolado” e considerou que foi bem planeado.

As autoridades turcas não divulgaram publicamente qualquer informação sobre a investigação ou sobre o possível motivo do polícia, que foi “neutralizado”.

A Turquia e a Rússia que têm apoiado lados antagónicos na guerra da Síria, manifestaram a intenção de que este assassinato não comprometa os esforços de reaproximação entre os dois países.

Neste contexto, Moscovo anunciou hoje que a Rússia, Irão e Turquia estão dispostos a servir de garantes num acordo entre o Governo sírio e a oposição.

O chefe da diplomacia russa, Serguei Lavrov, emitiu a declaração após um encontro dos três chefes da diplomacia em Moscovo, um dia após o ataque na galeria de arte em Ancara.

Lavrov precisou que os três ministros assinaram uma declaração conjunta onde se refere que Rússia, Irão e Turquia “exprimem a vontade em ajudar o governo sírio e a oposição na elaboração de um acordo e atuarem como seus garantes”.

O assassinato de Karlov surgiu após dias de protesto pelos turcos pelo apoio de Moscovo ao Presidente sírio Bashar al-Assad e o envolvimento da Rússia no bombardeamento e destruição da zona rebelde de Alepo.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.