PM quer política de concorrência transversal para evitar "batota" de empresas privadas


 

AO/Lusa   Nacional   14 de Dez de 2014, 14:20

O primeiro-ministro afirmou este domingo ser necessário uma "política de concorrência transversal" à sociedade portuguesa porque as empresas privadas "não podem fazer batota" pondo em causa a sustentabilidade de outras empresas.

 

"As empresas privadas têm que saber quais são as regras da concorrência, não podem fazer batota, não pagar na hora devida pondo em causa a sustentabilidade de outras empresas, fazer arranjos com outras empresas que tornem o nosso acesso a bens e serviços mais caros", afirmou Pedro Passos Coelho, no discurso de encerramento do XXII congresso da Juventude Social-democrata, que decorreu este fim-de-semana em Braga.

O líder do PSD afirmou ainda que Portugal deve continuar a disciplina orçamental e de "transparência" nas contas públicas para evitar que "daqui a uns anos" o Governo não diga não saber onde errou.

 



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.