Plano de combate à violência doméstica dos Açores com 40 medidas específicas

Plano de combate à violência doméstica dos Açores com 40 medidas específicas

 

Lusa/AO Online   Regional   21 de Nov de 2014, 14:24

O segundo plano de prevenção e combate à violência doméstica dos Açores vai abranger quatro áreas de intervenção concretizadas em 40 medidas, dando enfoque à formação de técnicos e alargamento a outras entidades parceiras, municípios e agentes culturais e desportivos.

“Existem duas áreas em que há um maior enfoque e alargamento. Uma delas é o envolvimento de outras entidades parceiras, designadamente os municípios, os agentes culturais e desportivos. Podemos também sinalizar a área da formação aos técnicos que trabalham com idosos, com pessoas portadoras de deficiência, com ações de formação, no sentido de lhes dar as ferramentas necessárias a trabalhar adequadamente com as potenciais vítimas de violência”, disse a secretária regional da Solidariedade Social.

Andreia Cardoso falava à margem da apresentação do II Plano Regional de Prevenção e Combate à Violência Doméstica e de Género dos Açores, que terá componentes dirigidas à prevenção, à proteção e apoio às vítimas e intervenção junto dos agressores, à formação de profissionais e à monitorização do fenómeno a nível regional.

O primeiro plano iniciou-se em 2010, com seis áreas de intervenção, e segundo Andreia Cardoso, a sua implementação “correu muito bem, com enorme sucesso”.

Andreia Cardoso sublinhou, por exemplo, que neste novo plano há uma componente dirigida à formação de técnicos e outros colaboradores que lidam diretamente com os públicos-alvo eleitos e o aprofundamento deste trabalho em rede e em parceria com as diversas instituições.

"É um trabalho transversal a diversas áreas do Governo Regional, designadamente a nível da educação e saúde", acresentou.

Em relação aos agressores, lembrou que há um programa específico, que inclusive "já foi referenciado a nível nacional como um bom exemplo, que é feito com vítimas e agressores", o designado programa Contigo, que visa "evitar a reincidência".

Este II Plano, que além da aposta na prevenção, também visa a melhoria da articulação entre tribunais criminais e cíveis, tem como uma das estratégias "prevenir, informar e sensibilizar" a população para uma cultura de não-violência, mudar mentalidades e envolver vários setores da sociedade.

A segunda área de intervenção é "proteger e apoiar as vítimas e intervir junto dos agressores", o que passa também, entre outros aspetos, pela consolidação dos programas de intervenção.

Formar e qualificar os profissionais é outra área estratégica, que prevê a criação de uma plataforma on-line, enquanto que a quarta área - “conhecer e monitorizar” - permitirá aprofundar o conhecimento do fenómeno a nível regional.

Questionada sobre os números da violência doméstica nos Açores, Andreia Cardoso admitiu que as "sinalizações e casos acompanhados são maiores" mas justificou que "existe uma rede de suporte que garante às vítimas o apoio", daí que estejam "predispostas a sinalizar e a procurar estas respostas exatamente porque elas existem".


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.