Somália

Piratas mantêm 200 reféns em cativeiro


 

Lusa/AO online   Internacional   21 de Dez de 2011, 18:15

Os piratas somalis mantêm cerca de 200 pessoas reféns, exigindo resgates para os libertar, disseram os responsáveis pela operação europeia antipirataria ao largo da Somália, que consideraram a situação como uma “tragédia humanitária”.
Numa mensagem de apoio publicada por ocasião do Natal, a operação Atalanta, da União Europeia, lamentou que a situação das tripulações dos navios mercantes feitas reféns “não prenda muitas vezes a atenção”.

De acordo com os dados da operação europeia antipirataria, nas mãos dos piratas estão um total de 199 homens e uma mulher, depois das suas embarcações terem sido capturadas no Oceano Índico.

“Esta tragédia humanitária é especialmente pertinente na altura do Natal, quando as famílias, normalmente, se reúnem para celebrar”, diz ainda o comunicado da Atalanta.

Desde o início da operação, em Dezembro de 2008, o número de marinheiros feito refém atingiu já os 2.317, com o cativeiro a ter uma duração média de cinco meses, tendo o recorde conhecido atingido os 19 meses em que estiveram presos 24 marinheiros no navio Iceberg 1, do Dubai.

“Deste total, pelo menos 60 morreram devido à detenção, tendo muitos outros sido torturados e vítimas de diversos abusos”, acrescenta a missão.

A operação Atalanta, no âmbito da Política Europeia de Segurança e Defesa, visa 'contribuir para a dissuasão, prevenção e repressão de actos de pirataria e dos assaltos à mão armada ao largo da costa da Somália'.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.