Espanha

PGR vai pedir penas de 8 anos para controladores aéreos

PGR vai pedir penas de 8 anos para controladores aéreos

 

Lusa/AO online   Internacional   9 de Dez de 2010, 10:16

O Procurador-Geral de Espanha, Cándido Conde Pumpido, anunciou esta quinta-feira que o Ministério Público vai propor penas de até oito anos de prisão para os controladores aéreos que na sexta-feira passada abandonaram os seus postos de trabalho.
Os factos protagonizados pelos controladores, que provocaram o encerramento do espaço aéreo espanhol e levaram o Governo a decretar o “estado de alarme”, constituem um delito “muito grave” de sedição, sancionado com penas de entre tês e oito anos de prisão, disse o Procurador-Geral, antes de presidir a uma reunião de procuradores em Saragoça.

Para Conde Pumpido, o conflito protagonizado pelos controladores não é um problema laboral, porque não se utilizaram as vias previstas nestes casos, recorrendo-se antes a um abandono do posto de trabalho “premeditado”, “concertado” e “colectivo”, com danos graves para os cidadãos e para Espanha.

O Procurador confirmou que foram abertas mais de 20 diligências em toda a Espanha e que vão ser exigidas responsabilidades a mais de 400 pessoas.

O Governo espanhol decretou sábado o “estado de alarme”, pela primeira vez na Espanha democrática, depois de sexta-feira à tarde os controladores aéreos terem abandonado colectivamente o trabalho, sem aviso prévio, em protesto contra uma nova lei de regulamentação dos seus horários de trabalho.

O movimento dos controladores obrigou ao encerramento do espaço aéreo espanhol e provocou o caos nos aeroportos, com cerca de 600 mil pessoas afectadas no primeiro dia de uma das principais “pontes” festivas em Espanha.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.