Pelo menos 134 desaparecidos após deslizamento de terras no Sri Lanka

Pelo menos 134 desaparecidos após deslizamento de terras no Sri Lanka

 

Lusa/AO online   Internacional   18 de Mai de 2016, 18:38

As autoridades do Sri Lanka afirmaram que pelo menos 134 pessoas estão dadas como desaparecidas no município de Aranayake, no centro do país, onde três aldeias foram arrasadas por deslizamentos de terras provocados pelas chuvas torrenciais.

 

A intensa precipitação e o vento forte que atingem o país desde sábado, sobretudo as regiões centro e norte, já fizeram até ao momento 37 mortos, segundo as mesmas fontes.

O chefe das operações de resgate naquela zona, general Sudantha Ranasinghe, indicou, em declarações aos jornalistas, que “134 pessoas estão desaparecidas e 14 corpos foram recuperados até agora em Aranayake”.

O maior número de mortos foi registado nos municípios de Aranayake e de Bulathkohupitiya.

Os deslizamentos de terras no município de Aranayake foram registados terça-feira à noite.

“Interrompemos as operações por hoje porque escureceu e a operação estava a trabalhar de forma contínua durante 20 horas”, precisou o responsável, acrescentando que as operações de busca de vítimas e de sobreviventes serão retomadas quinta-feira de manhã.

A Cruz Vermelha no Sri Lanka admitiu hoje de manhã a possibilidade de existirem centenas de pessoas soterradas nas três aldeias. Uma parte da população destas três povoações foi retirada nas últimas horas.

O Presidente do Sri Lanka, Maithripala Sirisena, viajou até Aranayake para encontrar-se com as vítimas e para prometer um apoio total do governo.

“O mais urgente é procurar os desaparecidos e dar comida e cobertura de cuidados sanitários aos desalojados”, declarou o chefe de Estado.

Em outras zonas do país foram registadas inundações e várias estradas ficaram danificadas. Na capital Colombo, o fornecimento de energia elétrica tem sofrido várias interrupções.

O exército destacou elementos para as áreas mais afetadas. Em Aranayake, o contingente é composto por 300 soldados, cães, pessoal médico e engenheiros. Para a zona foi igualmente transportada maquinaria pesada.

Segundo as autoridades locais, cerca de 346.241 pessoas foram afetadas pela intempérie, das quais 196.254 foram colocadas em centros de acolhimento.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.