PCP e PSD alertam para escassez de bens alimentares na ilha das Flores

PCP e PSD alertam para escassez de bens alimentares na ilha das Flores

 

Lusa/AO online   Regional   29 de Dez de 2017, 13:58

O PCP e o PSD nos Açores alertaram hoje para a escassez de alguns alimentos na ilha das Flores, criticando os atrasos dos navios de mercadorias e o alegado não cumprimento das obrigações de serviço público.

“Alguns bens alimentares já se encontram em carência nas prateleiras das superfícies comerciais da ilha das Flores devido ao adiamento da chegada do navio de transporte de mercadorias que quinzenalmente reabastece esta ilha de produtos de primeira necessidade”, denunciou, em comunicado de imprensa, o deputado do PCP - eleito pelo círculo eleitoral das Flores - João Paulo Corvelo.

Segundo o único deputado comunista na Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores, o navio de cargas desloca-se à ilha das Flores quinzenalmente à quarta ou à quinta-feira, mas esta semana adiou a deslocação para sábado, o que fará com que só possam ser descarregadas mercadorias congeladas e perecíveis.

“Alegadamente este adiamento da chegada do navio Monte Brasil à ilha das Flores deveu-se a previsões de mar alteroso estimadas para estas quarta e quinta-feiras, no entanto, o porto comercial das Lajes das Flores esteve aberto à navegação nestes mesmos dias”, salientou.

João Paulo Corvelo acrescentou que a mercadoria não congelada ou perecível só chegará aos comerciantes das Flores na próxima terça-feira, porque “a empresa pública regional Portos dos Açores não permite o seu transporte desde o cais do porto comercial das Lajes das Flores no domingo por ser fim de semana e na segunda-feira por ser dia feriado”.

O deputado do PCP, que entregou um requerimento na Assembleia Legislativa a questionar o Governo Regional sobre esta situação, alega ainda que as queixas dos comerciantes se repetem todos os anos nesta época.

Também o deputado social-democrata Bruno Belo, eleito igualmente pelo círculo eleitoral das Flores, alertou para o risco de o serviço público de transporte de mercadorias não ser cumprido na periodicidade estabelecida.

"Trata-se de uma situação recorrente e que acontece sempre no final de cada ano, com visíveis prejuízos para os florentinos e para as empresas da ilha. O mau tempo previsto para estes dias pode levar a que novamente o barco adie a sua escala nas Flores", salientou.

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera emitiu um aviso amarelo referente a agitação marítima entre as 21:00 de hoje (hora local, mais uma em Lisboa) e as 09:00 de sábado, para o grupo ocidental, onde se inclui a ilha das Flores.

Bruno Belo acusa o Governo Regional de não ser capaz de fazer cumprir o que está estabelecido nas obrigações de serviço público de transporte de mercadorias e alega que a ilha das Flores, por estar sujeita a toques quinzenais para ser abastecida de mercadorias, ao contrário de outras ilhas, está “muito mais dependente”.

"Não se pode falar em coesão regional, enquanto houver essa postura de quem nos governa", sublinhou o social-democrata.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.