PCP acusa Sócrates de "condicionar trabalho da comissão de inquérito"

PCP acusa Sócrates de "condicionar trabalho da comissão de inquérito"

 

lusa   Nacional   20 de Mar de 2010, 12:44

O PCP acusa José Sócrates de estar a "condicionar o trabalho da comissão de inquérito", estranhando como reage assim alguém que está "tão à vontade" sobre o negócio PT/TVI.

"Se o senhor primeiro ministro está tão à vontade sobre estas matérias não percebemos porquê esta sua reação no sentido de começar desde já a condicionar o trabalho da comissão de inquérito", disse hoje à Lusa o membro da comissão política do PCP Jorge Pires, reagindo a uma entrevista de José Sócrates publicada hoje no Jornal de Notícias.

O dirigente comunista referiu que o partido "não está de acordo com a tese desenvolvida na entrevista", porque tem defendido desde o princípio que a comissão de inquérito "não deve ser encarada como uma comissão da moção de censura ao Governo".

"Podemos aqui aplicar o ditado popular 'quem não deve não teme'", afirmou.

Na entrevista ao JN, o primeiro ministro considera a comissão de inquérito ao caso PT/TVI "um ato de profunda hipocrisia política, que apenas pretende instrumentalizar a Assembleia da República".

"Não pretendem apurar nada, mas manter uma suspeição e instrumentalizar a AR [Assembleia da República] no ataque pessoal e político contra mim. (…) Não andam à procura de esclarecimentos, o que querem é um palco para me atacarem", acusa.

Para Jorge Pires, o trabalho desta comissão "deve centrar-se não em critérios de mediatismo, mas no apuramento de factos concretos e na resposta a questões que têm obrigatoriamente que ser apuradas".

Considerando que os depoimentos já prestados na Comissão de Ética, Sociedade e Cultura, "trouxeram um conjunto importante de informações relacionadas com o objeto desta comissão de inquérito", Jorge Pires defende que "não só é possível ir mais longe no aprofundar destes aspetos, mas também que é preciso apurar a verdade".

Para os comunistas, é preciso esclarecer, entre outros factos, "quais as ligações dos membros do Governo a grupos económicos e financeiros, os contornos da decisão de suspender o Jornal de Sexta, bem como o afastamento dos jornalistas Manuela Moura Guedes e José Eduardo Moniz".

O PCP quer ainda que fique claro "quem desencadeou dentro da PT o processo negocial com a Prisa, se houve ou não motivação política para lá da empresarial, bem como saber quem pôs fim a este processo negocial e em que circunstâncias".

"É tão simples como isto", afirmou Jorge Pires.

A comissão de inquérito, criada a requerimento potestativo do PSD e do BE, tem por objeto "apurar se o Governo, direta ou indiretamente, interveio na operação conducente à compra da TVI e, se o fez, de que modo e com que objetivos" e ainda "apurar se o senhor primeiro ministro disse a verdade ao Parlamento, na sessão plenária de 24 de junho de 2009", quando referiu que não tinha sido informado sobre o negócio.

Contactado pela Lusa, o Bloco de Esquerda preferiu não reagir a esta entrevista do primeiro ministro porque, segundo fonte do partido, "não há nenhuma novidade, nem nada de relevante a comentar".


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.