PCP/Açores diz que o Governo da República podia ter travado o fim das quotas leiteiras

PCP/Açores diz que o Governo da República podia ter travado o fim das quotas leiteiras

 

Lusa/AO online   Regional   1 de Dez de 2014, 17:51

O deputado do PCP/Açores, Aníbal Pires, defendeu que é preciso encontrar soluções para o fim das quotas leiteiras, acusando o Governo da República de não ter evitado um cenário que pode prejudicar o arquipélago.

 

"O Governo da República podia ter travado esta situação. Não o fez, vá-se lá perceber porquê ou talvez se perceba, mas a verdade é que não foi feito. É preciso encontrar aqui soluções, no caso da região, eventualmente ao abrigo do estatuto da ultraperiferia, para garantir esta produção, que para nós é essencial", frisou, em declarações à Lusa.

Aníbal Pires falava após uma reunião com a Associação Jovens Agricultores Terceirenses, no primeiro dia de uma visita de cinco dias à ilha Terceira.

O deputado do PCP disse que ainda há "muita incerteza e muita preocupação" entre os agricultores sobre o fim das quotas leiteiras, anunciado para o próximo ano, considerando que a medida "pode colocar em causa a sobrevivência de um setor que é estruturante da economia regional".

"Tem de se fazer alguma coisa na defessa da produção, até porque há aqui dezenas de anos de investimento público e privado", frisou, apontando responsabilidades não só ao governo e aos partidos da região, mas também a nível nacional e europeu.

Ainda em relação à agricultura, o deputado salientou que os "elevadíssimos" pagamentos à Segurança Social estão a afastar os jovens do setor, recordando que o PCP já apresentou uma anteproposta de lei no parlamento açoriano para diminuir os escalões das contribuições em função do rendimento.

Aníbal Pires disse ainda que os agricultores continuam sem conhecer os regulamentos dos novos programas operacionais do novo quadro comunitário de apoio, o que "colocou já em causa novos investimentos", embora exista a possibilidade de transitarem projetos.

Durante uma visita de cinco dias à Terceira, Aníbal Pires vai ainda visitar o matadouro da ilha e reunir-se com o Sindicato dos Professores da Região Açores, com os presidentes das câmaras municipais de Angra do Heroísmo e Praia da Vitória e com a comissão de trabalhadores da Base das Lajes.

Segundo o deputado, estas visitas permitem um contacto direto com as pessoas e nos últimos tempos as reivindicações têm sido comuns.

"Aquilo por que as pessoas clamam é por trabalho, mais do que por políticas de assistência", frisou, acrescentando que quem trabalha se queixa do "rendimento muito reduzido".

Para Aníbal Pires, as medidas anunciadas pelo Governo Regional para combater o desemprego vêm apenas "introduzir algum artificialismo na economia", porque os incentivos às empresas cobrem sobretudo os próprios salários dos trabalhadores.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.