Paulo VI não temeu afrontar os regimes políticos


 

AO/Lusa   Nacional   19 de Out de 2014, 14:09

O reitor do Santuário de Fátima destacou a figura de Paulo VI, o primeiro papa a peregrinar ao templo e sabado beatificado em Roma, considerando que "não temeu afrontar os regimes políticos para afirmar a primazia de Deus".

 

“Não temeu afrontar os regimes políticos para afirmar esta primazia de Deus e, consequentemente, a primazia do ser humano e da sua dignidade sobre as ideologias”, afirmou o padre Carlos Cabecinhas, na missa internacional a que presidiu, citado numa nota de imprensa da instituição, que se associou à beatificação de Paulo VI.

Referindo que “um dos aspetos relevantes do seu magistério pontifício foi precisamente a afirmação destemida da centralidade de Deus na vida dos cristãos e dos povos”, Carlos Cabecinhas salientou que é essa mesma centralidade que “fala a mensagem de Fátima”.

Aos fiéis, o reitor referiu que Paulo VI foi o primeiro papa a peregrinar a Fátima, a 13 de maio de 1967, por ocasião do 50.º aniversário dos acontecimentos de Fátima, e apontou a atualidade das palavras por ele proferidas no maior templo mariano no país.

“A sua forte exortação, aqui em Fátima, ‘Homens, sede homens’, é desafio a descobrirmos que trazemos em nós a imagem de Deus e uma dignidade inalienável, que por motivo algum pode ser aviltada”, salientou o sacerdote.

Hoje, no santuário de Fátima, ouviu-se a reprodução de um trecho das palavras que o novo beato proferiu em 1967 na Cova da Iria, onde apelou aos homens para serem bons e cordatos.

“Homens, procurai ver o vosso prestígio e o vosso interesse não como contrários ao prestígio e ao interesse dos outros, mas como solidários com eles”, referiu Paulo VI na peregrinação de 13 de maio de 1967 no santuário e hoje, de novo, ouvido no templo.

Então, perante milhares de peregrinos, o papa desafiou ainda os homens a não pensarem “em projetos de destruição e de morte, de revolução e de violência”, mas antes “de conforto comum e de colaboração solidária”.

“Homens, pensai na gravidade e na grandeza desta hora, que pode ser decisiva para a história da geração presente e futura; e recomeçai a aproximar-vos uns dos outros com intenções de construir um mundo novo; sim, um mundo de homens verdadeiros, o qual é impossível de conseguir se não tem o sol de Deus no seu horizonte”, acrescentou Paulo VI.

O decreto para a beatificação foi aprovado, pelo papa Francisco, a 10 de maio.

O papa Paulo VI (1897-1978), batizado Giovanni Battista Montini, sucedeu a João XXIII, tendo-lhe cabido o encerramento do Concílio Vaticano II e a concretização da reforma litúrgica da Igreja Católica.

Giovanni Battista Montini foi arcebispo da arquidiocese de Milão, no norte de Itália, e criado cardeal em 1958 por João XXIII.

Paulo VI esteve à frente dos destinos da Igreja Católica durante 15 anos, desde junho de 1963, quando foi entronizado, até agosto de 1978, quando morreu em Castelgandolfo, estância de férias pontifícia.

Foi o primeiro papa a visitar os cinco continentes e o primeiro a celebrar em Fátima, a cujo santuário concedeu a sua primeira Rosa de Ouro.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.