Política

Passos Coelho sugere Orçamento base zero para 2011

Passos Coelho sugere Orçamento base zero para 2011

 

Lusa/AO online   Nacional   20 de Jun de 2010, 19:15

O presidente do PSD Pedro Passos Coelho sugeriu hoje que o Governo adopte um Orçamento base zero para 2001, durante um almoço-convívio promovido pela Comissão Concelhia do PSD de Leiria.

Pedro Passos Coelho sugeriu ao Governo que “na preparação do Orçamento para 2011 adote aquilo a que os economistas chamam de Orçamento base zero”, ou seja, “obrigar toda a gente a explicar o que quer fazer com o dinheiro que propõe vir a receber”. “Se estamos numa época de tantas restrições, em que o financiamento é tão escasso, o próprio Estado deve dar o exemplo de ver rubrica a rubrica, serviço a serviço, ministério a ministério, no que é razoável ser despendido daqui para a frente”, sublinhou ainda o presidente do PSD. Perante cerca de 150 militantes e simpatizantes do partido, que marcaram presença num almoço-convívio, Pedro Passos Coelho afirmou que o país precisa de ter “uma justiça que funcione, uma educação que seja mais exigente e de ter mais racionalidade em como é gasto o nosso dinheiro, sejam os privados ou o próprio Estado.” O social-democrata defendeu também “reformas importantes”, referindo que “o PS tem tido dificuldade em perceber”. Segundo Passos Coelho, o PS “não gosta quando falamos em reformas estruturais”, porque “acham que as grandes reformas já estão todas feitas”. O líder do PSD apelou para o fim das divisões do partido, pedindo que “coloquem o preconceito de lado” e que “estejam disponíveis para ouvir as ideias que forem boas, de todos os que queiram mudar esta maneira de estar em Portugal”, mesmo que tenham estado próximos de outros partidos. Considerando que é preciso “arregaçar as mangas e tomar essas reformas como a ementa essencial”, Passos Coelho lembrou o dinheiro “mal aplicado” destinado à formação. “A taxa de desemprego entre os jovens tem uma incidência superior a 22 por cento. Muitos investiram no seu percurso escolar, com licenciaturas, doutoramentos e mestrados e hoje a única forma de encontrarem uma oportunidade é sair de Portugal”, lamentou. Por isso, é preciso ser “exigente” nas condições a criar “para que essas pessoas não tenham de sair de Portugal”, o que “nos obriga a não olhar apenas para a Europa como o grande destino de toda a nossa atividade”. Passos Coelho apontou os mercados do “Brasil, Angola, Moçambique e outros países da América do Sul” como novas opções. “Hoje precisamos de nos mobilizar para fazer melhor cá dentro, mas para poder pôr os olhos naquelas sociedades que estão a crescer e precisam da nossa intervenção.”


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.