Passos assegura medidas para garantir estabilidade financeira do país

Passos assegura medidas para garantir estabilidade financeira do país

 

LUSA/AO Online   Nacional   2 de Ago de 2014, 14:12

O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, afirmou hoje que o Banco de Portugal irá tomar todas as medidas "necessárias", no âmbito da crise do Banco Espírito Santo (BES), para garantir a estabilidade financeira do país.

“Esta é uma fase em que o supervisor, o Banco de Portugal, precisará de monitorizar a situação e propor aquilo que achar que é adequado e recomendável. Aquilo que é importante, em qualquer caso, é que as pessoas saibam que o supervisor, o Banco de Portugal, tomará todas as medidas que são necessárias, de modo a garantir a estabilidade financeira”, afirmou o chefe do Governo, em declarações no Algarve, onde está a gozar um período de férias, citadas pelas televisões. “A estabilidade financeira é muito importante para a nossa economia e para o emprego, e não deixaremos de tomar todas as medidas que forem necessárias para garantir essa estabilidade”, reforçou Passos Coelho. O primeiro-ministro admitiu que se for necessário deslocar-se a Lisboa o fará, salientando, no entanto, que o vice-primeiro-ministro, Paulo Portas, e a ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque, estão a acompanhar a situação do banco, agora liderado pelo economista Vítor Bento. “Se for preciso regressar a Lisboa, irei com certeza, mas está o senhor vice-primeiro-ministro à frente do Governo nesta altura, ele fará férias quando eu regressar, e a senhora ministra das Finanças também acabou as suas férias e está em posição de poder acompanhar toda esta situação. Se for necessário também não deixarei de me deslocar, mas espero que cada um no seu posto possa fazer aquilo que é preciso se for preciso fazer alguma coisa”, concluiu. Hoje, a Espírito Santo Financial Portugal (ESFP) admitiu a sua incapacidade para honrar compromissos e avançou com um pedido de insolvência que visa lançar um processo especial de revitalização, ao abrigo do Código de Insolvência e Recuperação de Empresas (CIRE). A ESFP é detida a 100% pelo Espírito Santo Financial Group (ESFG) e apresentou um "pedido de insolvência conforme o disposto no artigo n.º 17-A do Código da Insolvência e Recuperação de Empresas ou CIRE", lê-se num comunicado disponível na Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM). O pedido de insolvência apresentado pela ESFP (o quinto no universo GES) surge no mesmo dia em que a Espírito Santo Financière (ESFIL), 'holding' detida a 100% pelo ESFG e que é dona do suíço Banque Privée Espírito Santo, pediu gestão controlada no Luxemburgo, sendo a quarta empresa do Grupo Espírito Santo (GES) a fazê-lo. A ESFIL foi assim a quarta companhia do GES, do qual o BES é o principal ativo, a avançar com um pedido de gestão controlada no Luxemburgo, depois de a Espírito Santo International (ESI), da Rio Forte e do ESFG. Hoje à tarde, a CMVM suspendeu a negociação das ações do BES até à divulgação de informação relevante sobre o emitente depois de o banco ter registado um novo mínimo histórico nos 0,105 euros, uma queda de quase 50%. O BES anunciou na quarta-feira um resultado líquido negativo de 3.577,3 milhões de euros entre janeiro e junho, um valor que compara com o prejuízo de 237,4 milhões de euros, apurado no primeiro semestre de 2013.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.