Assembleia Legislativa Regional

Partidos preocupados com abstenção nos Açores

Partidos preocupados com abstenção nos Açores

 

Lusa / AO online   Regional   20 de Jan de 2010, 09:18

Os partidos políticos estão preocupados com os elevados níveis de abstenção que se registam nos Açores, mas não se entendem quanto à melhor forma de inverter a situação, nomeadamente como aumentar a participação dos jovens nos actos eleitorais.
Este problema esteve em debate terça-feira no parlamento açoriano na sequência de uma proposta apresentada pelo PCP, mas, apesar de a preocupação ser comum a todas as bancadas, a maioria dos deputados votou contra a iniciativa comunista por entender que não seria eficaz.

O PCP pretendia que fossem distribuídas cópias em papel do Estatuto Político-Administrativo dos Açores, da Constituição da República Portuguesa e da Carta dos Direitos Humanos a todos os jovens açorianos que completassem 18 anos de idade, com o objectivo de fornecer informação “fundamental” a quem iria exercer o direito de voto pela primeira vez.

Para o deputado comunista Aníbal Pires, esta proposta “muito simples” não pretendia ser uma “medida milagrosa” para resolver um “problema complexo”, mas apenas um contributo para ajudar a reduzir a taxa de abstenção no arquipélago.

Os argumentos não foram, no entanto, suficientes para convencer os deputados do PS, PSD e CDS/PP, que votaram contra, inviabilizando a iniciativa do PCP, apenas apoiada pelo BE e PPM.

Para os três maiores partidos com representação parlamentar nos Açores, a proposta comunista, além de “não ser eficaz”, foi considerada “pretensiosa”, “perigosa” e “contrapruducente”.

Uma das principais criticas estava relacionada com o facto do PCP propor a distribuição dos documentos em papel, numa altura em que a maioria dos jovens tem acesso à Internet e pode consultar o que lhes interessa online.

Apesar desta divergência de opinião entre os três maiores e os três mais pequenos partidos com representação parlamentar, todos manifestaram preocupação pelos elevados níveis de abstenção nos Açores, admitindo que é necessário encontrar uma forma de cativar o interesse dos eleitores.

As diferenças não estão no diagnóstico do problema, mas na forma de o resolver.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.