Partidos concordam que descontaminação ambiental da ilha Terceira é prioridade

Partidos concordam que descontaminação ambiental da ilha Terceira é prioridade

 

LUSA/AO online   Regional   17 de Mai de 2017, 16:22

Os partidos concordaram hoje no parlamento que a descontaminação ambiental das Lajes, nos Açores, é uma prioridade, com o PSD a alertar que "há um povo a morrer" devido à poluição causada pelo funcionamento da base militar norte-americana

O parlamento discutiu hoje projetos de resolução do PS, PSD e Bloco de Esquerda que pedem ao Governo que defenda os interesses dos portugueses no cenário da redução do contingente militar dos Estados Unidos na base das Lajes, na ilha Terceira.

"Tudo indica que há um povo a morrer por causa da contaminação dos solos e aquíferos com hidrocarbonetos e metais pesados", afirmou o social-democrata António Ventura, para quem a descontaminação ambiental da ilha, da responsabilidade dos EUA, deve ser considerada "uma prioridade do Estado".

O deputado do PSD acusou o executivo socialista de "negligência política", afirmando que o Governo "não quer dar prioridade à descontaminação".

"O ministro dos Negócios Estrangeiros disse que os montantes a exigir ao Governo norte-americano para a descontaminação valiam zero. O ministro da Defesa não sabia das análises que se realizavam na ilha. O ministro do Ambiente atira responsabilidades para os Açores. São lamentáveis estas declarações e merecem o protesto desta Assembleia da República", disse o deputado açoriano.

A socialista Lara Martinho reconheceu que "houve referências menos felizes de dois ministros", mas ressalvou que "quando os ministros do PS cometem erros, rapidamente se apressam a corrigi-los".

A descontaminação, acrescentou, "não é um tema novo", mas "infelizmente nada foi alcançado pelo anterior Governo" (PSSD/CDS-PP).

Na sua proposta, o PS pede ao Governo que garanta, no âmbito das negociações bilaterais com os EUA, a "prioridade da total descontaminação ambiental na ilha Terceira e o reaproveitamento futuro das infraestruturas excedentárias na estrutura aeroportuária das Lajes".

Pelo BE, João Vasconcelos acusou o PSD de, na sua iniciativa, apenas pretender "atacar o Bloco e outras forças da esquerda parlamentar por serem contra a NATO", mas garantiu que "não existe uma rutura" na maioria parlamentar que apoia o Governo, porque o tema da NATO "não faz parte dos acordos" do PS com o PCP, Bloco e Verdes.

Ao PSD, CDS e Governo, criticou o bloquista, "o que interessa é não beliscar a relação diplomática com os Estados Unidos e, por isso, não convém incomodar os norte-americanos com a sua pegada ambiental" na base das Lajes.

O deputado comunista António Filipe acusou o PSD de ter descoberto "agora que havia um problema com a base das Lajes", mas, sublinhou, "há vários problemas graves, mas não nasceram ontem".

Para o PCP, as autoridades nacionais devem "defender o interesse nacional, regional, das populações e dos trabalhadores" e garantir a descontaminação dos solos, além de criar uma alternativa económica e social à presença norte-americana na base das Lajes

"O Governo tem obrigação de garantir os interesses dos habitantes da Terceira, de assegurar os interesses regionais e nacionais, e também de exigir à administração norte-americana que suporte todos os custos para a resolução de todos os problemas causados pela utilização da base das Lajes em termos de passivo ambiental", defendeu o Partido Ecologista "Os Verdes", pela voz de José Luís Ferreira.

O deputado João Rebelo anunciou que o CDS concorda com as iniciativas do PS e do PSD e rejeitou o projeto do Bloco, a quem acusou de "anti-americanismo crónico".

O deputado centrista manifestou ainda o desagrado pela "ineficácia" das comissões bilaterais entre Lisboa e Washington, que cinco anos após se conhecer a intenção dos EUA de reduzir a presença militar nas Lajes, ainda "não foi possível encontrar um desfecho compensatório".

Em comum, as iniciativas dos três partidos têm o pedido ao Governo para que defenda os interesses portugueses na base das Lajes, Açores, e garanta a descontaminação ambiental da zona, a realizar pelos Estados Unidos.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.