Parlamento dos Açores aprova protesto por TAP deixar de voar para o Faial

Parlamento dos Açores aprova protesto por TAP deixar de voar para o Faial

 

Lusa/AO Online   Regional   12 de Mar de 2015, 14:47

O parlamento dos Açores aprovou esta quinta-feira um voto de protesto por a TAP ter decidido deixar de voar para a ilha do Faial a partir do final do mês, para onde fazia ligações há mais de trinta anos.

 

O texto é um protesto "contra a decisão da TAP, e do Governo da República, enquanto seu acionista único" e sublinha que esta decisão tem "consequências na dinâmica económica da ilha e na operacionalidade da sua infraestrutura aeroportuária".

O documento, que será enviado ao primeiro-ministro e à administração da TAP, lamenta ainda que na privatização da ANA não se tenha assegurado a "ampliação da pista do aeroporto da Horta", na ilha do Faial, "com consequências na sua operacionalidade e segurança".

Este voto de protesto foi apresentado pelo PS e teve o apoio do PSD, PPM, CDS-PP, PCP e BE, tendo o CDS-PP optado pela abstenção.

No debate da iniciativa socialista, o deputado Costa Pereira, do PSD, disse que o seu partido apoia o conteúdo do voto de protesto, mas considerou-o "claramente parcial" por "razões partidárias".

Costa Pereira lembrou que o Faial vai ter menos ligações a Lisboa do que as atuais porque a operação da SATA não vai compensar totalmente a saída da TAP desta rota, decisão que condenou e na qual disse que tem responsabilidade o Governo Regional socialista, único acionista da transportadora aérea açoriana.

O deputado do PS Lúcio Rodrigues respondeu que a SATA "se chegou à frente" perante a saída da TAP e que a companhia açoriana vai cumprir aquilo que "disse que ia fazer".

O mesmo não se passa com a companhia aérea nacional, acrescentou, dizendo que a Secretaria de Estado dos Transportes havia afirmado que a TAP não abandonaria rotas nos Açores a partir do final deste mês, quando algumas ligações aéreas entre o arquipélago e o continente passam a estar liberalizadas e outras, como a do Faial, passam a ter novas obrigações de serviço público.

Quanto ao CDS-PP, disse preferir abster-se nesta "guerrilha" entre PSD e PS, responsabilizando os dois partidos pela saída da TAP de algumas rotas dos Açores, dizendo que a culpa é do modelo que vai entrar em vigor no final do mês.

Para do CDS-PP Graça Silveira, o novo modelo acabou, na prática, com as obrigações de serviço público em todas as rotas, pelo que a companhia aérea nacional deixou de se interessar por diversas operações.

A TAP anunciou também que vai deixar de voar para a ilha do Pico e que se manterá apenas nas rotas totalmente liberalizadas (São Miguel e Terceira).


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.