Parlamento açoriano chumba proposta para acabar com apoios públicos às touradas

Parlamento açoriano chumba proposta para acabar com apoios públicos às touradas

 

Lusa/AO Online   Regional   8 de Set de 2016, 19:42

A Assembleia Legislativa dos Açores chumbou hoje uma proposta do BE que pretendia acabar com os apoios públicos às touradas realizadas no arquipélago, matéria que suscitou alguma polémica.

A proposta, apresentada pela deputada Zuraida Soares, suscitou dúvidas aos restantes partidos, uma vez que o diploma falava apenas em "condicionar o apoio institucional à realização de espetáculos que infrinjam sofrimento físico ou psíquico ou provoquem a morte de animais".

Nuno Menezes, da bancada socialista, lembrou que as touradas à corda e de praça são uma tradição secular em algumas ilhas do Açores, como é o caso da Terceira, de São Jorge e da Graciosa.

"Pergunto, por isso, senhora deputada, o que acha que nós não devemos então apoiar, se as touradas de praça, se as touradas à corda, se os bolos de leite, se as cavalhadas", questionou o parlamentar socialista.

Artur Lima, líder parlamentar do CDS, considerou a proposta do BE "eleitoralista" e "populista" e de pretender "acabar" com as tradições de tourada à corda nos Açores.

"O que fica claro é que o Bloco de Esquerda é contra a tourada à corda e é contra as tradições populares e a cultura de um povo", apontou o parlamentar centrista em tom exaltado.

Perante as insistências, Zuraida Soares acabou por esclarecer que a intenção do seu partido não é "acabar com as touradas" mas apenas com os apoios públicos a espetáculos "com fins comerciais", fazendo-se acompanhar de fotografias, em tamanho A3, com touros a sangrar, utilizados em espetáculos tauromáquicos.

A proponente garantiu que as touradas à corda estão excluídas deste diploma, mas Aníbal Pires, do PCP, considerou que esse objetivo não está claro no articulado.

"Se, de facto, aquilo que pretende é excluir as touradas à corda do âmbito deste diploma, devia ser mais explícita", sugeriu o deputado comunista.

Mas Judite Parreira, da bancada do PSD, lembrou que acabar com os apoios às touradas, como propõe o BE, não significa acabar com as touradas.

"A senhora vem aqui, como Pilatos, lavar as mãos, como se o problema fosse os apoios institucionais, ou seja, se não há apoios, não faz mal haver touradas. Faz mal é se houver apoios", ironizou a deputada social-democrata.

Paulo Estevão, do PPM, acusou, por seu lado, a proposta do Bloco de ser "eleitoralista" e "absolutamente hipócrita", e de estar a tentar fazer um aproveitamento de uma matéria considerada "sensível" para muita gente no arquipélago.

O secretário regional da Educação e Cultura, Avelino Meneses, garantiu em plenário, que o executivo socialista não atribuiu apoios públicos a espetáculos tauromáquicos nos últimos anos, concluindo que a proposta acaba por não fazer sentido.

Mas a depurada do BE fez entregar na Mesa da Assembleia, uma listagem de portarias, publicadas entre 2004 e 2014 no Jornal Oficial da Região, com "dezenas e dezenas de milhares de euros" de subsídios atribuídos a entidades ligadas à tauromaquia nos Açores.

A proposta do BE acabou chumbada por quase todos os partidos com assento parlamentar, à exceção de cinco deputados do PS, que votaram a favor (quebrando a disciplina de voto) e dois que se abstiveram.

Só na ilha Terceira, realizam-se anualmente, cerca de uma dezena de touradas de praça e perto de 250 touradas à corda" em todas as freguesias.

 


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.