Papa condenou atentado "brutal" e "sem sentido" que matou 147 no Quénia

Papa condenou atentado "brutal" e "sem sentido" que matou 147 no Quénia

 

LUSA/AO Online   Internacional   3 de Abr de 2015, 14:56

O papa Francisco condenou hoje o ataque, que definiu como brutal e sem sentido, do grupo jihadista somali Al Shabab à universidade de Garissa, no Quénia, que matou 147 pessoas.

"Sua Santidade condena este ato de brutalidade sem sentido e reza por uma mudança de atitude dos seus autores", pode ler-se num telegrama de pêsames que o secretário de Estado vaticano, Pietro Parolín, enviou em nome do pontífice ao arcebispo de Nairobi, John Njue. No telegrama, refere-se que o papa está "profundamente entristecido pela imensa e trágica perda de vidas causada pelo ataque à Universidade de Garissa". Na mensagem, o papa apelou, ainda, para que todas as autoridades "redobrem os seus esforços para trabalhar com todos os homens e mulheres do Quénia para pôr fim a essa violência e acelerar o amanhecer de uma nova era de fraternidade, justiça e paz". Francisco exprimiu ainda a sua "proximidade espiritual às famílias das vítimas e a todos os quenianos neste momento doloroso". O papa encomendou ainda as almas dos mortos "à misericórdia infinita de Deus". Um comando de jihadistas entrou na quinta-feira na universidade fingindo tratar-se de fiéis que iam rezar na mesquita do campus e detonaram vários artefactos explosivos e dispararam de forma indiscriminada por todo o recinto, que habitualmente acolhe mais de 800 alunos. Os elementos do Al Shaba mantiveram refém um grupo indeterminado de estudantes e professores com o objetivo de matar todos os que não fossem muçulmanos.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.