Papa apela à liberdade de culto para os cristãos no Médio Oriente

Papa apela à liberdade de culto para os cristãos no Médio Oriente

 

Lusa / AO Online   Internacional   6 de Jun de 2010, 10:46

O papa Bento XVI apelou hoje, em Nicósia, no Chipre, à liberdade religiosa e de culto para os cristãos no Médio Oriente e fez um novo apelo para a resolução dos conflitos na Terra Santa.

O papa fez estes apelos durante uma missa no Palácio dos Desportos Elefhteria, depois da qual entregará aos membros do Conselho Especial para o Médio Oriente do Sínodo dos Bispos o documento de trabalho sobre o Sínodo para o Médio Oriente a realizar entre 10 e 24 de outubro, no Vaticano.

"Rezo para que esta reunião ajude a conduzir a atenção da comunidade internacional sobre a situação dos cristãos no Médio Oriente que sofrem por causa das suas crenças, de modo a encontrar uma solução justa e duradoura para os conflitos que causam tanta dor", afirmou o papa, que hoje termina uma visita de três dias ao Chipre.

"No que diz respeito a este grave problema, reitero o meu convite pessoal para se realizar um esforço internacional urgente e concertado para resolver as tensões no Médio Oriente, especialmente na Terra Santa, antes que esses conflitos levem a mais derramamento de sangue", disse.

Bento XVI disse que o Médio Oriente ocupa um lugar especial nos corações de todos os cristãos, “já que foi ali que Deus se deu a conhecer aos nossos antepassados na fé."

O papa sublinhou que os cristãos nesta parte do mundo querem viver em paz e harmonia com os vizinhos judeus e muçulmanos e, muitas vezes, agem como “artífices da paz no difícil processo de reconciliação."

“Mereceis o reconhecimento pelo papel inestimável que realizais. Espero sinceramente que todos os vossos direitos, incluindo o direito à liberdade de religião e de culto, sejam cada vez mais respeitados e que nunca mais sofrais qualquer tipo de discriminação", disse o papa.

Bento XVI afirmou também que os cristãos de todo o mundo estão a olhar para o Médio Oriente com “especial reverência” devido aos profetas, patriarcas, apóstolos, mártires “a quem tanto devemos, homens e mulheres que ouviram a palavra de Deus, deram testemunho desta e transmitiram-na para a grande família da Igreja”.

O papa destacou que muitos cristãos “suportam grandes provas” devido à situação atual na região e acrescentou que o Sínodo é uma oportunidade para que o resto dos cristãos no mundo possam prestar assistência aos fiéis católicos no Médio Oriente.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.