OSCE: Líderes pedem esforços mais decisivos para resolver conflito entre Arménia e Azerbaijão


 

Lusa / AO online   Internacional   1 de Dez de 2010, 18:33

Os líderes dos países que integram a Organização para a Segurança e Cooperação na Europa consideram que é altura de fazer “esforços mais decisivos” para resolver o conflito entre Arménia e Azerbaijão em torno do enclave do Nagorno-Karabakh.

“Uma negociação pacífica trará estabilidade e segurança e é a única maneira de trazer a reconciliação aos povos da região”, afirmam os líderes numa declaração conjunta saída da cimeira da OSCE, que decorre em Astana (Cazaquistão), onde Portugal está representado pelo ministro dos Negócios Estrangeiros, Luís Amado.

Os líderes incitaram os responsáveis da Arménia e do Azerbaijão a concentrarem-se, com energia renovada, nos pontos que ainda permanecem em conflito.

Além do conflito arménio-azeri sobre o enclave Nagorno-Karabakh, fazem parte da agenda da cimeira temas como a instabilidade no Quirguistão e o Afeganistão.

Na abertura da cimeira, o presidente do Cazaquistão considerou que acolher a reunião foi um “triunfo do senso comum” e apelou aos chefes de Estado e de Governo dos 56 países participantes a um “avanço para o futuro seguro dos povos”.

“A cimeira ocorre pela primeira vez num país novo. A singularidade da nossa cimeira está no facto de ocorrer no coração da Eurásia, a milhares de milhas da fronteira geográfica da Europa”, declarou Nursultan Nazarbayev.

Apesar do significado simbólico da cimeira, na perspetiva dos observadores, não são esperados significativos progressos diplomáticos.

A reunião de Astana permitirá ainda ao Cazaquistão projetar a sua imagem na cena diplomática internacional e tentar contrariar as frequentes acusações de autoritarismo do regime.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.