Órgão de 1863 do Museu do Franciscanismo vai ser recuperado

Órgão de 1863 do Museu do Franciscanismo vai ser recuperado

 

Lusa/AO Online   Regional   13 de Out de 2015, 16:24

O órgão do coro alto do Museu Vivo do Franciscanismo, na Ribeira Grande, um instrumento construído em 1863 por um carpinteiro micaelense, vai ser recuperado com o intuito de dinamizar o seu ensino e proporcionar eventos musicais.

 

O anúncio foi feito hoje pelo município, em comunicado.

A Igreja dos Frades, na cidade da Ribeira Grande, na costa norte da ilha de São Miguel, esteve encerrada ao culto quase 30 anos e reabriu a 14 de fevereiro de 2013 como museu de interpretação do Franciscanismo para dar a conhecer a importância daquela congregação religiosa.

Além do órgão de 1863, o vasto espólio religioso do templo, do século XVII, inclui mais de 30 imagens, algumas com mais de 200 anos, e retábulos de talha dourada.

"O órgão do convento de Nossa Senhora da Guadalupe foi construído em 1863 e é quarto maior instrumento construído por João Nicolau Ferreira (1820-1878), de entre os nove por ele construídos", refere a autarquia, salientando que o construtor foi "o percursor" de uma nova fase da história do órgão nos Açores.

"Numa conjuntura em que a organaria portuguesa e o circuito do repertório organístico no continente se ressentiam fortemente com as políticas liberais, nos Açores assistiu-se à continuação do ofício da organaria até 1907”, sublinha.

Natural de Ponta Delgada, João Nicolau Ferreira era carpinteiro e foi instruído na arte da organaria pelo padre Joaquim Silvestre Serrão, com quem colaborou na construção dos órgãos da Sé de Angra, em 1854, e de São Pedro, em Ponta Delgada (1858), de acordo com a Câmara.

A autarquia sublinha ainda a importância, no contexto português, dos instrumentos de João Ferreira, que utilizava "materiais acessíveis na ilha (incluindo elementos de órgãos anteriores)" e outros que concebia com base "em modelos da organaria portuguesa de final de setecentos, largamente representada nos Açores” por instrumentos assinados pelos organeiros Joaquim António Peres Fontanes e António Xavier Machado e Cerveira.

O órgão vai ser recuperado por Dinarte Machado e a autarquia refere que apresentou à Direção Regional da Cultura um pedido de comparticipação financeira.

Além de várias intervenções do género nos Açores e na Madeira, Dinarte Machado restaurou quase 80 órgãos dos cerca de 100 que compõem o acervo histórico português, entre os quais os seis órgãos do Palácio Nacional de Mafra.

Além disso, participou no restauro dos órgãos do Palácio Real de Madrid e da igreja de São Francisco, em Lorca (Múrcia), Espanha.

Foi condecorado pelo Presidente da República e ganhou o prémio internacional Europa Nostra em 2010.

A Igreja dos Frades conta ainda no seu espólio com um conjunto de esculturas que representam a vida e os santos franciscanos e anualmente saem à rua na Procissão dos Terceiros.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.