Organização das Cidades Património Mundial quer criar prémio anual

Organização das Cidades Património Mundial quer criar prémio anual

 

Lusa/AO Online   Regional   29 de Mai de 2015, 19:44

A Organização das Cidades Património Mundial (OCPM) pretende criar um prémio para distinguir anualmente as melhores cidades, revelou hoje o vice-presidente da autarquia de Bruxelas, Coomans de Brachène.

"Queremos criar um novo prémio para o Património Mundial, como o prémio Nobel. Não existe atualmente um prémio deste género e se o conseguirmos criar trará uma grande mudança", adiantou em declarações à Lusa Coomans de Brachène, em Angra do Heroísmo.

Segundo o autarca belga, o prémio poderia incentivar as cidades a fazer um "esforço adicional" na preservação do seu património.

A criação de um prémio para as cidades Património Mundial foi uma das decisões tomadas pelo Conselho de Administração da Organização das Cidades Património Mundial numa reunião que decorreu durante dois dias e terminou hoje em Angra do Heroísmo, nos Açores.

O encontro na primeira cidade portuguesa a integrar a lista de Património Mundial da Unesco serviu de preparação para o próximo Congresso Mundial da OCPM, que terá lugar em Aequipa, no Perú, de 3 a 6 de novembro de 2015.

Para Coomans de Brachène, o património ainda é algo difícil de promover, por isso é necessário divulgar mais informação junto dos turistas e do público em geral, para tentar "mudar mentalidades".

"Promover o património é sempre difícil porque, para a maioria das pessoas, isso é uma coisa para pessoas velhas, não é interessante e é complicado de entender", salientou, acrescentando que muitas pessoas "nunca sequer ouviram falar" sobre a Organização das Cidades Património Mundial.

O vice-presidente da autarquia de Bruxelas realçou a importância de se preservar o património e de se sensibilizar a população para essa necessidade.

"O património é uma parte da nossa história e precisamos de explicar isso todos os dias. Se o fizermos as pessoas podem perceber melhor a sua importância", salientou.

Coomans de Brachène considerou também importante que as cidades Património Mundial reforcem o contacto entre si, para partilharem conhecimentos e experiências.

Segundo o autarca, por vezes as cidades deparam-se com "pequenos problemas", como a iluminação pública, que parecem simples, mas são complexos de resolver e que se poderiam tornar mais fáceis se as autarquias se ajudassem.

O vice-presidente da câmara de Bruxelas considerou que Angra do Heroísmo é um "bom exemplo" de uma cidade que consegue mostrar que a preservação do património não é impeditiva de desenvolvimento.

"A cidade pode desenvolver-se e ao mesmo tempo manter aquela sensação especial que temos quando passeamos por ela. Fico feliz por ver que esta cidade tem tanto orgulho em ser parte do Património Mundial", frisou.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.