Orçamento para 2017 da Universidade dos Açores aquém do desejado

Orçamento para 2017 da Universidade dos Açores aquém do desejado

 

Lusa/AO Online   Regional   23 de Nov de 2016, 14:32

O reitor da Universidade dos Açores disse hoje que orçamento da academia para 2017, de cerca de 21 milhões de euros, "serve o planeado", mas "está aquém" do que se pretende para a instituição.

 

“O Orçamento serve aquilo que era o plano para 2017, mas está aquém do que seria desejável para o desenvolvimento que queremos para a nossa instituição, bem como para o todo nacional em termos de ensino superior”, declarou João Luís Gaspar.

O reitor falava aos jornalistas no final da reunião do Conselho Geral da academia açoriana, em Ponta Delgada, na ilha de São Miguel, que aprovou o documento por unanimidade.

João Luís Gaspar explicou que as verbas do Orçamento do Estado são de cerca de 15 milhões de euros, acrescendo receitas próprias resultante das propinas, investigação e de serviços prestados, que fazem o Orçamento da universidade crescer para cerca de 21 milhões de euros.

“Estes dois últimos números oscilam bastante ao longo do ano e estão muito condicionados pela aprovação de candidaturas a programas operacionais e a novas oportunidades que ocorrem na região, continente ou Europa”, afirmou.

O reitor referiu que se conhecem hoje “melhores momentos” na Universidade dos Açores, mas “não se pode negligenciar” que o ensino superior em Portugal “ainda carece de uma profunda intervenção”, sendo necessário rejuvenescer o corpo docente e voltar ao período das progressões das carreiras.

“Existe um conjunto de satisfações que o Governo ainda não colocou em prática, mas que está na ideia fazer a médio prazo”, disse João Luís Gaspar.

O responsável salientou que o orçamento para o próximo ano “é idêntico ao do ano passado”, com um “reforço das atualizações salariais, permitindo, de certa maneira”, responder ao que são as “necessidades mais importantes” da Universidade dos Açores para o futuro.

João Luís Gaspar apontou, ainda, o plano de recuperação financeira a que está sujeita a Universidade dos Açores, que termina este ano, notando que o objetivo era atingir um défice zero, o que já foi alcançado em 2015, estando previsto o mesmo no final do corrente ano.

O presidente do Conselho Geral, José Brás, referiu, por seu turno, que os serviços sociais da Universidade dos Açores vão passar a dispor de um médico e de um psicólogo para os alunos.

José Brás acrescentou que, ao nível do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas, “foi criado um fundo de coesão para ajudar as academias em dificuldades, no valor de dois milhões de euros, para o qual a instituição de ensino superior dos Açores vai contribuir com 15 mil euros”.

 

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.