Operação Lex: Interrogatórios terminaram cerca das 23:30 e prosseguem pela manhã

Operação Lex: Interrogatórios terminaram cerca das 23:30 e prosseguem pela manhã

 

Lusa/AO online   Nacional   1 de Fev de 2018, 09:19

Os primeiros interrogatórios aos cinco detidos na ‘Operação Lex’ terminaram na quarta-feira cerca das 23:30 e prosseguem hoje pela manhã, pelas 10:00, no Supremo Tribunal de Justiça, em Lisboa.

Os cinco detidos, entre eles um oficial de justiça, dois advogados e o filho de um destes, que foram presentes ao juiz conselheiro Pires da Graça ao início da noite de quarta-feira, estão entre os 12 arguidos do processo, que incluem também os juízes desembargadores Rui Rangel e Fátima Galante, o presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, e o vice-presidente do clube, Fernando Tavares.

Os detidos, acompanhados dos respetivos advogados, chegaram ao Supremo Tribunal de Justiça (STJ) pouco depois das 18:30 e depois de preenchida documentação relativa ao processo começaram a ser identificados, cerca das 20:00, segundo informações recolhidas pela Lusa no local.

Cerca das 21:15 saiu um dos advogados no processo, António Pinto Pereira (cujo cliente que representa é ainda desconhecido), que disse aos jornalistas que ia "comer qualquer coisa rápido" e afirmou que "os trabalhos estavam a decorrer", tendo regressado às instalações do Supremo, na Praça do Comércio, 20 minutos depois.

A primeira sessão de apresentação ao juiz terminou cerca 23:30, com os detidos a abandonarem o Supremo Tribunal de Justiça cerca das 23:50, por uma porta lateral. Presente na sessão esteve também o procurador-geral adjunto Paulo Sousa, coordenador do Ministério Público no STJ.

Não foram feitos mais esclarecimentos após o final dos trabalhos na quarta-feira.

Os interrogatórios aos cinco detidos na ‘Operação Lex’, que vão pernoitar no Estabelecimento Prisional anexo à Polícia Judiciária (EPPJ), prosseguem esta manhã no Supremo Tribunal de Justiça, estando o início dos trabalhos previsto para as 10:00.

A 'Operação Lex' investiga suspeitas de corrupção/recebimento indevido de vantagem, branqueamento de capitais, tráfico de influências e fraude fiscal.

Na operação, desencadeada na terça-feira, foram realizadas 33 buscas, das quais 20 domiciliárias, nomeadamente ao Sport Lisboa e Benfica, à casa de Luís Filipe Vieira e dos dois juízes e a três escritórios de advogados.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.