ONU pede redução urgente de emissões de gases com efeito de estufa

ONU pede redução urgente de emissões de gases com efeito de estufa

 

Lusa/AO online   Internacional   3 de Nov de 2016, 11:37

O mundo deve reduzir as emissões de gases com efeito de estufa (GEE) "urgentemente e radicalmente" para evitar uma "tragédia humana", alertou a ONU, na véspera da entrada em vigor do acordo de Paris sobre redução de GEE.

 

“Se não começarmos a tomar medidas adicionais agora, a partir da Conferência de Marraquexe (COP22 que se inicia na segunda-feira), vamos acabar por chorar diante de uma tragédia humana evitável", disse Erik Solheim, do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), que divulgou o seu relatório anual sobre a ação climática mundial.

Neste novo relatório, o PNUMA demonstrou estar alarmado com o aumento contínuo das emissões de GEE, apesar de o acordo de Paris estabelecer como objetivo fundamental a limitação do aumento da temperatura global a menos de 2º celsius, em relação a valores da era pré-industrial.

Apesar dos compromissos voluntários assumidos em Paris há um ano, o mundo está a caminhar para 2100 com temperaturas entre 2,9º e 3,4° Celsius acima dos níveis pré-industriais, indicando impactos devastadores no meio ambiente, refere o relatório.

"Estamos a mover-nos na direção certa, mas isso não é suficiente, se quisermos ter uma oportunidade de evitar a alteração climática", disse Solheim, advertindo que poderá ocorrer "uma tragédia humana".

"O número crescente de refugiados devido ao clima, atingidos pela fome, pobreza, doenças e conflitos, lembram-nos incessantemente o nosso fracasso. A ciência tem mostrado que temos de agir muito rapidamente", acrescenta.

Para acelerar o movimento, o PNUMA insiste em particular no papel das cidades, das empresas e dos cidadãos nas áreas da agricultura, dos transportes e das medidas de eficiência energética.

A 22.ª Conferência Anual do Clima, que se inicia na segunda-feira em Marraquexe, deve começar a definir as muitas disposições para permitir a aplicação e reforçar o acordo de Paris.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.