Ondulação danifica molhe de proteção do porto da Madalena

Ondulação danifica molhe de proteção do porto da Madalena

 

Lusa/Açoriano Oriental   Regional   27 de Fev de 2017, 17:21

O secretário dos Transportes e Obras Públicas dos Açores disse que a forte ondulação hoje registada na Madalena, ilha do Pico, provocou danos no molhe de proteção do porto, mas remeteu a quantificação dos prejuízos para depois de uma avaliação.

 

"Estamos a fazer o acompanhamento da situação, nomeadamente no porto da Madalena, onde os danos visíveis são no muro de cortina na cabeça do molhe, com o derrube de três módulos", afirmou à agência Lusa Vítor Fraga.

Segundo o governante, "os galgamentos neste porto são generalizados, ao longo de todo o molhe, chegando inclusive à casa de aprestos e à via de acesso ao porto".

"Também se verificam galgamentos na zona do ramal da Areia Larga, o que levou à interdição da via, uma vez que o mar arrastou para esta alguns detritos", declarou o governante, explicando que "todas as ações de limpeza, bem como de avaliação efetiva dos danos, só serão possíveis de efetuar quando estiverem reunidas as condições de segurança necessárias para o efeito".

Vítor Fraga esclareceu que a operação marítima de passageiros e viaturas entre Faial-Pico e Faial-São Jorge "será retomada ainda esta tarde".

No caso do Pico será utilizado o porto de Santa Cruz das Ribeiras e para São Jorge a ligação será direta Horta-Velas.

"Neste momento [16:30 locais, menos uma hora do que em Lisboa] convém referir que os galgamentos continuam a acontecer, é prematuro indicar qualquer estimativa de custos associados, porque ainda não foi possível uma deslocação ao local para avaliar a real dimensão dos estragos", reiterou o secretário regional, que espera na terça-feira deslocar-se à Madalena.

Fonte da Portos dos Açores, empresa pública que gere estas estruturas no arquipélago, adiantou à agência Lusa que ainda hoje técnicos irão para o local avaliar a situação.

O presidente da Câmara da Madalena, José António Soares, afiançou "não fazer ideia do valor dos danos" ocorridos na orla costeira, cuja avaliação decorre, assegurando que casas particulares não foram atingidas "para já" pela forte ondulação.

"O mar ainda está muito mau, mas os meios locais, que continuam em prevenção, têm conseguido dar resposta às situações", declarou José António Soares, referindo estar em "permanente contacto" com o presidente da Proteção Civil regional.

Em comunicado, o município da Madalena adianta que o mar invadiu o "Museu de Cachalotes e Lulas, provocando fortes estragos".

"Outros edifícios localizados junto à orla costeira sofreram estragos, nomeadamente o conceituado Cella Bar", acrescenta.

O comandante dos Bombeiros Voluntários da Madalena, Ricardo Dias, informou que a maioria das ocorrências se prendeu com "a remoção de pedras que o mar trouxe para a estrada", tendo estado envolvidos sete elementos apoiados por duas viaturas da corporação.

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) informou que a ondulação que hoje danificou várias estruturas na Madalena atingiu os 13 metros, situação que "não estava prevista" e que foi "invulgar".

Já depois desta situação, o IPMA colocou sob aviso amarelo as cinco ilhas do grupo central dos Açores - Terceira, São Jorge, Pico, Faial e Graciosa - devido à agitação marítima, que vigora até às 06:00 locais de 01 de março (quarta-feira).



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.