OMS quer reduzir em 90% mortes por cólera e acabar com tuberculose e poliomielite


 

Lusa/AO online   Internacional   25 de Mai de 2018, 18:33

A Organização Mundial de Saúde (OMS) aprovou um plano para reduzir em 90% as mortes provocadas por cólera, adotou uma resolução para tentar acabar com a tuberculose e reviu a estratégia para erradicar a poliomielite.


A porta-voz da OMS, Fadela Chaib, afirmou hoje em conferência de imprensa em Genebra que a cólera é responsável por 95.000 mortes por ano, afetando 2,9 milhões de pessoas em países com poucas infraestruturas, sistemas de saúde deficitários e em situações de conflito social.

A resolução insta a OMS a aumentar a sua capacidade para ajudar os países que lutam contra a cólera, reforçando a sua liderança global e papel de coordenação nesta área.

Além disso, os delegados que participam na Assembleia Mundial da Saúde adotaram outra resolução que desafia o diretor-geral da organização, Tedros Adhanom Ghebreyesus, e os Estados-membros a apoiar a reunião de alto nível da Assembleia Geral das Nações Unidas, em setembro, onde será discutido o "caminho para acabar com a tuberculose”.

A resolução exige que os Estados-membros aumentem os esforços para eliminar a doença e, a OMS, apela para que se desenvolva uma nova estratégia global para a investigação e inovação médica no campo da tuberculose.

Segundo a OMS em 2016 morreram 1,7 milhões de pessoas, sendo a tuberculose uma das dez principais causas de morte no mundo.

Também a estratégia a cinco anos da organização para erradicar a poliomielite foi revista durante o encontro, reforçando os sistemas de vacinação e procedimentos de urgência nos países que têm as ferramentas necessárias para manter o “mundo livre” da doença.

A Assembleia Mundial de Saúde é o principal órgão de decisão da OMS, responsável por aprovar as diretrizes e recursos do trabalho a realizar pela organização.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.