Óbito/Fidel Castro: Governo português lamenta morte e salienta figura que marcou século


 

Lusa / AO online   Internacional   26 de Nov de 2016, 10:39

O Governo português lamentou hoje a morte do antigo Presidente cubano Fidel Castro, sublinhando que é uma figura que "marcou o século XX" e que "a História avaliará" o seu papel.

 

"O Governo português apresenta as condolências ao presidente Raul Castro, irmão de Fidel Castro, à família e a todo o povo cubano", disse à agência Lusa o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva.

O histórico líder cubano, Fidel Castro, morreu na noite de sexta-feira, 25 de novembro, aos 90 anos, às 22:29 locais (03:29 de sábado em Portugal continental) e já foram várias as reações e condolências apresentadas por diversos líderes políticos mundiais.

"É uma personalidade histórica de Cuba cuja morte devemos lamentar", considerou o ministro.

Santos Silva referiu que "a História avaliará os méritos e os deméritos do papel de Fidel Castro e da natureza do regime".

Questionado se prevê alguma abertura do regime cubano no futuro, o chefe da diplomacia portuguesa disse não prever "nenhuma evolução súbita da situação em Cuba", mas referiu esperar que Raul Castro "continue este caminho de abertura e de diálogo que possa levar a que, tão cedo quanto possível, seja levantado o bloqueio norte-americano a Cuba".

A transição do poder de Fidel para o seu irmão Raul "foi bastante bem feita e natural", até porque o atual Presidente cubano já exercia funções no Governo de Cuba, comentou o ministro.

Santos Silva salientou a amizade que Fidel Castro tinha pelos portugueses, recordando as suas origens galegas.

O antigo líder cubano "sempre teve palavras de muito apreço pelos portugueses", disse o ministro, que notou que o Presidente português deve ter sido das últimas personalidades a contactar pessoalmente com Fidel Castro, no encontro que os dois mantiveram durante a visita oficial de Marcelo Rebelo de Sousa a Cuba, no final de outubro.

O ministro dos Negócios Estrangeiros salientou que Portugal e Cuba têm "boas relações políticas".

Portugal tem "um interesse muito próprio" no desenvolvimento da cooperação com a América Latina e com as Caraíbas, e Cuba "sempre foi um ponto de facilitação desse relacionamento", referiu.

O ministro dos Negócios Estrangeiros comentou também que algumas empresas portuguesas "foram das primeiras a beneficiar de desenvolvimentos em matéria económica do lado de Cuba".

Santos Silva disse não estar ainda definida a forma como Portugal se fará representar no funeral de Fidel Castro.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.