Obama pede a Wall Street fim de pressões contra reforma do sector financeiro


 

Lusa / AO online   Economia   23 de Abr de 2010, 12:19

O presidente norte-americano, Barack Obama, pediu quinta-feira a alguns dos mais importantes banqueiros do país o fim das pressões contra a reforma do sector financeiro, que, defendeu, apenas deve ser temida pelos que não suportam “supervisão e transparência”.
Com o presidente da Goldman Sachs na audiência na Cooper Union em Manhattan, juntamente com executivos de topo de casas de investimento como a JP Morgan Chase, Morgan Stanley, Credit Suisse, Barclays, Bank of America e mesmo o presidente da câmara de Nova Iorque, Michael Bloomberg, um democrata céptico da reforma, o presidente norte-americano defendeu a inevitabilidade das alterações legislativas.

“Tal como está, o sistema é responsável por uma série de gigantescas e onerosas ajudas públicas. E só com reforma podemos evitar episódios semelhantes no futuro. Noutras palavras, um voto na reforma é um voto para acabar com as ajudas pagas pelos contribuintes. Essa é a verdade. Fim da história”, disse Obama.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.