O xadrez é uma "guerra" onde joga um de cada vez

Carregando o video...

 

Rui Jorge Cabral / Paulo Simões   Regional   14 de Fev de 2010, 21:37

O xadrez é um ‘jogo de guerra’? "Em termos simbólicos representa de facto a guerra, mas uma guerra diferente", responde Luís Ascenso, o presidente da Associação de Xadrez da Região Autónoma dos Açores, em entrevista ao programa ‘Conversa Fiada’, da Rádio Açores/TSF.

Para ele, o xadrez é uma "guerra disciplinada onde joga um de cada vez e com respeito pelo adversário, enquanto que na guerra real jogam todos ao mesmo tempo". Além de presidente da associação açoriana de xadrez, Luís Ascenso é também xadrezista no Operário. A época de xadrez começou a 1 de Outubro do ano passado, mas só a partir de Janeiro deste ano começaram os campeonatos, com a realização do Campeonato Regional de Jovens e do Campeonato Nacional de Semi-rápidas.

Sendo um jogo lento, difícil de compreender nas suas ínfimas possibilidades e com grande apelo ao raciocínio, o xadrez tem alguma atracção sobre uma geração de jovens habituados a uma cultura ‘instantânea’? Luís Ascenso acha que sim. "Há cada vez mais gente nova a jogar xadrez e este ano tivemos mais de 100 jovens a participar no campeonato, dos 8 aos 20 anos, o que se deve em grande parte ao trabalho dos monitores feito nas escolas", afirma. O presidente da Associação de Xadrez da Região Autónoma dos Açores refere ainda a grande cobertura que o xadrez já tem nas escolas da Região e "sempre que há um potencial núcleo de xadrez numa escola nós apoiamos", refere.

 

Leia esta notícia na íntegra no jornal Açoriano Oriental de segunda-feira, 15 de Fevereiro de 2010.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.