Número de mulheres nas Forças Armadas está a descer desde 2010

Número de mulheres nas Forças Armadas está a descer desde 2010

 

Lusa/AO online   Nacional   5 de Mar de 2018, 09:17

O número de mulheres nas Forças Armadas está a descer desde 2010, tendo atingido o valor mais baixo em 2017, segundo um estudo, que considera esta descida “inesperada e paradoxal”.

A percentagem de mulheres nas Forças Armadas baixou de 13% para 10,5% entre 2010 e 2017, ano em que o efetivo totalizava 2.930 mulheres, segundo um estudo de investigadores do Centro de Investigação e Estudos de Sociologia (CIES-IUL), que faz parte do livro “Desigualdades Sociais, Portugal e a Europa”.

“Em 2017, verificou-se um retorno aos valores anteriores ao fim do serviço militar obrigatório [2004]”, adianta o estudo publicado no livro “Desigualdades Sociais, Portugal e a Europa” que será divulgado na quarta-feira, em Lisboa, no colóquio comemorativo dos 10 anos do Observatório das Desigualdades.

No ano passado, as mulheres constituíam 10,6% dos militares da Marinha, 8,7% do Exército e 14,8% da Força Aérea em 2017.

Segundo o estudo, o aumento do número de mulheres nas Forças Armadas foi pronunciado até 2000, altura em que estabilizou, voltando a subir ainda mais acentuadamente a partir de 2004, ano em que terminou o serviço militar obrigatório e em que o recrutamento passou a ser exclusivamente voluntário.

“Essa tendência [de aumento] manteve-se até 2010, altura em que se inverteu e, pela primeira vez, se assistiu a uma redução significativa do número de mulheres, afetando em particular o Exército”, sublinha o estudo.

A descida é explicada pela “forte redução de efetivos militares em contexto de crise”, que penalizou sobretudo os regimes de voluntariado e contrato, nos quais as mulheres se concentravam numa percentagem superior à média.

Para os autores do estudo, “esta tendência de decréscimo da representação feminina é simultaneamente inesperada e paradoxal”.

“Inesperada, uma vez que o aprofundamento do processo de profissionalização e os desafios de recrutamento que habitualmente se lhe associam conduziriam potencialmente a um reforço da componente feminina”, sublinham.

“É paradoxal” no quadro dos compromissos assumidos por Portugal na implementação da resolução 1325 do Conselho de Segurança das Nações Unidas, que exorta os Estados a aumentar a representação feminina nas suas forças e nos contingentes enviados para missões internacionais.

Tal como noutros países, “o envolvimento de mulheres em atividades militares nas áreas mais operacionais tem sido objeto de resistências e dificuldades”.

Apesar dos elevados níveis de aceitação da presença militar feminina, sobretudo entre os oficiais, “as atitudes relativas ao seu envolvimento operacional, em particular se se considerar também a categoria de praças, nem sempre revelou a mesma positividade”, refere o estudo.

“O padrão de desigualdade que ainda persiste, bem como um significativo retrocesso em termos de níveis de representação, mostram como são por vezes frágeis os progressos conseguidos no plano da construção da igualdade e que uma permanente monitorização e avaliação de políticas e resultados se impõe”, acrescenta.

O estudo adverte que a "inexistência de políticas concretas" em áreas que “provocam erosão nos níveis de empenhamento das mulheres”, como a conciliação entre família e profissão, “poderá continuar a produzir efeitos nos níveis de integração de género nas forças armadas e, por essa via, na qualidade do relacionamento civil-militar em Portugal”



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.