Novos projetos privados vão criar 1400 postos de trabalho

Novos projetos privados vão criar 1400 postos de trabalho

 

Lusa/AO online   Regional   18 de Out de 2014, 15:47

O vice-presidente do Governo dos Açores revelou sexta-feira que os novos projetos de investimento privado apresentados este ano, no âmbito do sistema de incentivos regional, vão permitir criar mais de 1400 postos de trabalho no arquipélago.

O governante, que falava na sessão de abertura do II Encontro Regional de Freguesias dos Açores entende que estes dados revelam a "confiança" que os empresários têm na região, e também a aposta no combate ao desemprego nas ilhas.

"Só este ano entraram já 561 novos projetos de investimento, no valor de 189 milhões de euros, e que, sendo executados, assegurarão a criação líquida de 1.428 novos postos de trabalho", sublinhou.

Sérgio Ávila entende, porém, que o combate ao desemprego nos Açores passa pelas autarquias, lançando o apelo à ANAFRE (Associação Nacional de Freguesias) para que estabeleça "protocolos de cooperação" com o executivo açoriano, com vista à criação de "emprego sustentável".

O titular da pasta das Finanças no Governo dos Açores anunciou ainda que será autorizado, já no decorrer deste mês, no âmbito do programa PROSA (Programa Social de Ocupação de Adultos), a contratação de 322 pessoas que estavam em situação de desemprego, que vão trabalhar nas autarquias e instituições particulares de solidariedade social.

"Pessoas que irão passar, a partir do próximo mês, a desenvolver uma atividade profissional efetiva, durante um período de tempo bastante significativo, e que é certamente uma requalificação para poderem entrar no mercado de trabalho", sublinhou Sérgio Ávila.

O presidente da Câmara Municipal da Horta, José Leonardo Silva, apelou, por outro lado, aos autarcas para que se unam na contestação, junto do Governo da República, à lei de Finanças Locais e à Lei dos Compromissos, que estão, no seu entender, a "asfixiar" financeiramente as autarquias.

"Estas leis representam uma dificuldade acrescida no âmbito da execução do novo programa operacional até 2020, impossibilitando a capacidade dos municípios de poderem gerir a sua comparticipação nos fundos comunitários, face aos níveis de endividamento", lembrou o autarca socialista.

Já o presidente da ANAFRE, Pedro Cegonho, anunciou que a associação vai realizar no próximo ano, na cidade de Angra do Heroísmo, o seu congresso nacional, sendo a primeira vez que um encontro do género ocorre nos Açores.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.