Novo Plano Tecnológico Nacional em estudo


 

Lusa/AO on line   Nacional   21 de Set de 2010, 06:33

Portugal está a estudar a extensão do programa de colaboração com a Universidade do Texas, em Austin, disse à Lusa o diretor da parceria, António Câmara, sublinhando os ganhos na criação de massa crítica de "talento mundial".
 

Lançado em marco de 2007, o Programa UT Austin - Portugal (CoLab) foi criado no âmbito do Plano Tecnológico para promover a capacidade científica e tecnológica nacional e reforçar as relações entre universidades e empresas portuguesas e a instituição norte-americana.

[O programa] poderá ser estendido no tempo e isso está a ser estudado pela direção. Nesta altura não há nenhuma certeza, mas essa hipótese está em cima da mesa", disse à agência Lusa António Câmara, adiantando que o programa, "teoricamente, termina em 2011".

O responsável garante que o interesse no prolongamento da parceria também existe da parte da Universidade do Texas, sobretudo tendo em conta as "excelentes" relações entre os investigadores desta instituição e os portugueses.

"Está dependente dos financiamentos, que não serão certamente apenas públicos. Terá que haver comparticipações privadas e é isso que está a ser estudado", acrescentou, sublinhando que a questão ainda não foi discutida com o ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior.

Mariano Gago é uma das figuras que estará presente hoje na Fundação Gulbenkian, em Lisboa, no arranque da Conferência Anual Colab 2010, que, segundo António Câmara, será uma "celebração" dos projetos de investigação, dos programas de doutoramento e das diferentes atividades das empresas e municípios, num balanço "necessariamente positivo".

"Todos estes programas são lentos e os resultados significativos só aparecerão dentro de três ou quatro anos. Este programa tem permitido consolidar e, no caso dos media digitais, criar quase de raiz uma massa crítica. Sem massa crítica, é impossível a um país competir", argumentou.

O programa de colaboração incide sobretudo nas áreas de media e conteúdos digitais, computação avançada e matemática.

"O grande ganho para Portugal que se sentirá mais tarde é na criação de uma massa crítica de talento de classe mundial", sublinhou.

Além de António Câmara, estão presentes na cerimónia de abertura o ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Mariano Gago, Robert Peterson, da Universidade do Texas, o presidente da Fundação para a Ciência e Tecnologia, João Sentieiro, e o presidente do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas e reitor da Universidade Nova de Lisboa, António Rendas.

A conferência conta ainda com uma exibição de projetos de investigação das diversas áreas do programa.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.