Novo Centro de Saúde Ponta Delgada não implica fecho de outras unidades

Carregando o video...

 

Lusa/AO online   Regional   28 de Jan de 2016, 13:41

O presidente do Governo dos Açores garantiu que a abertura do novo centro de saúde de Ponta Delgada, uma obra de 16,5 milhões de euros, não implicará o encerramento de postos nas freguesias do concelho.

 

"Será importante referir que o novo Centro de Saúde de Ponta Delgada continuará, naturalmente, a manter a mesma relação com todas as extensões e postos de saúde do concelho e que, agora com a sua abertura, não será encerrado nenhum posto de saúde nas freguesias do concelho de Ponta Delgada", afirmou Vasco Cordeiro, na inauguração da nova infraestrutura.

O novo centro de saúde de Ponta Delgada, na ilha de São Miguel, nos Açores, com uma área de construção de cerca de 10 mil metros quadrados, vai servir cerca de 50 mil utentes do centro urbano da cidade, uma obra iniciada em janeiro de 2014.

Foi edificado junto ao hospital do Divino Espírito Santo, o que vai permitir uma interação entre os cuidados de saúde primários e hospitalares.

Vasco Cordeiro sublinhou que o novo edifício tem uma "mais-valia adicional" para os utentes por concentrar todos os serviços, "desde a marcação de uma consulta ou de um exame até ao processamento do reembolso", e permite agregar serviços que "se espalhavam por quatro imóveis dispersos por vários pontos da cidade de Ponta Delgada".

A este propósito, Vasco Cordeiro disse que o seu executivo "acompanha" e "não é insensível" aos efeitos que possam decorrer da deslocalização dos serviços do centro de saúde da baixa da cidade para a zona do Hospital do Divino Espírito Santo, a norte, e adiantou que durante este ano vai abrir uma nova loja da Rede Integrada de Apoio ao Cidadão (RIAC) na baixa, "um contributo válido" para "a tão necessária dinamização da cidade", através da instalação de serviços da administração regional.

Ainda assim, o presidente do Governo dos Açores apelou à Câmara para, "no âmbito das suas competências, e à semelhança do que já aconteceu com outras câmaras de outras ilhas" dos Açores, "aproveitar as oportunidades que derivam do Programa Operacional Açores 2020, nomeadamente quanto à existência de fundos comunitários", para apresentar um plano estratégico de revitalização e requalificação urbana.

O governante disse que a possibilidade de concentrar todos os serviços do Centro de Saúde de Ponta Delgada nas antigas instalações no Campo de São Francisco, no centro da cidade, "seria mais cara do que a construção de raiz de um novo edifício".

Vasco Cordeiro adiantou ainda que na Unidade de Saúde de Ilha de São Miguel, "em 2012, foram prestadas cerca de 148 mil consultas e, durante 2015, "esse número cresceu para mais de 165 mil".

Já na região, de cerca de 330 mil consultas dadas em 2012, em todos os centros de saúde dos Açores, passou-se, em 2015, para mais de 380 mil.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.